Pick-upau online

 

Notícias+

Darwin Society Magazine publica documento sobre restauração ecológica
Publicação traz relatório sobre recuperação de Área de Preservação Permanente situada em represa do Sistema Cantareira

03/12/2017 – A Agência Ambiental Pick-upau, através do CECFLORA – Centro de Estudos e Conservação da Flora e do Projeto Darwin, publicam o vigésimo sétimo volume da revista científica, Darwin Society Magazine. A revista apresenta nesta edição o relatório técnico “Recuperação de Área de Preservação Permanente situada em represa do Sistema Cantareira”, sobre as atividades de reflorestamento na represa Jaguari. O processo de reflorestamento foi realizado em parceria com uma entidade local, a Associação de Amigos Para Defesa Ambiental das Represas do Jaguari, Jacareí e Cachoeira – AADARJ.

Pick-upau/Divulgação

Leia a publicação completa.

Sob o guarda-chuva do Projeto Refazenda, a edição “Cantareira” foi financiada pelo Fundo Nacional sobre Mudança do Clima – FNMC, conhecido também como Fundo Clima, do Ministério do Meio Ambiente. Iniciado em dezembro de 2014, o projeto chega aos números finais agora em dezembro de 2017. A nova edição da Darwin Society Magazine (DSM) é a décima terceira produzida pelo projeto, inicialmente foram previstas três publicações. Todas as edições podem ser acessadas gratuitamente na seção Publicações e na plataforma digital ISSUU.

Além das publicações sobre diversos temas socioambientais, como processos de quebra de dormência e germinação; desenvolvimento de mudas; coleções científicas; ninhos artificiais e processos de produção florestal; o projeto cadastrou áreas para a restauração ecológica, com ênfase na proteção de nascentes e outros recursos hídricos, equivalente a 39 campos de jogo da Arena Corinthians ou do Allianz Parque, além da produção de cerca de 80 mil mudas de espécies florestais.

Resumo da publicação
Desde o início de sua história, a humanidade tem modificado o ciclo hidrológico, visando satisfazer à demanda de água. A água doce é imprescindível para a sobrevivência das sociedades e em casos de escassez, impõe limitações para a realização de quaisquer atividades. Em relação ao volume hídrico, o Brasil possui destaque, mas a maior concentração de água disponível está na Bacia Amazônica, contemplando apenas 5% da população do país, o que nos leva a ter projetos e leis que projetem recursos hídricos em outros biomas e regiões do país. E a demanda por recursos hídricos aumenta cada vez mais, enquanto a quantidade de água para utilização humana permanece a mesma. São Paulo, por exemplo, sofreu nos últimos anos, a pior crise hídrica já registrada para a região, e os fatores são diversos, falta de chuvas, ausência de investimentos no setor de abastecimento, desperdício de água por parte da população, baixo custo do recurso, efeito das mudanças climáticas e supressão de vegetação nativa, sobretudo as matas ciliares, que são excelentes corredores para a biodiversidade, devido à proximidade com os corpos d’água e fundamentais para a mitigação das mudanças climáticas. Neste senti do, combater desmatamentos e promover a recuperação de ambientes florestais degradados é extremamente importante e necessário. Visando contemplar este objetivo, a Agência Ambiental Pick-upau e o Fundo Nacional para Mudança do Clima - FNMC, do Ministério do Meio Ambiente - MMA, realizaram o plantio de espécies arbóreas nativas em área de preservação permanente, na Represa Jaguari em Bragança Paulista – SP, que pertence ao Sistema Cantareira.

Sobre a Pick-upau
A Agência Ambiental Pick-upau é uma organização não governamental sem fins lucrativos de caráter ambientalista 100% brasileira, fundada em 1999, por três ex-integrantes do Greenpeace-Brasil. Originalmente criada no Cerrado brasileiro, tem sua sede, próxima a uma das últimas e mais importantes reservas de Mata Atlântica da cidade São Paulo, o Parque Estadual das Fontes do Ipiranga. Por tratar-se de uma organização sobre Meio Ambiente, sem uma bandeira única, a Agência Ambiental Pick-upau possui e desenvolve projetos em diversas áreas ambientais. Desde a educação e o jornalismo ambiental, através do Portal Pick-upau – Central de Educação e Jornalismo Ambiental; passando por programas de produção de espécies florestais de biomas brasileiros; reflorestamento de áreas degradadas e recuperação de fragmentos florestais; políticas públicas, através da atuação em conselhos; neutralização de gases de efeito estufa e mitigação às mudanças climáticas; até a pesquisa científica, com ênfase na biodiversidade da fauna e flora.

 

Sobre o FNMC
O Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima) foi criado pela Lei n° 12.114/2009 e regulamentado pelo Decreto n° 7.343/2010. O Fundo é um instrumento da Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC), instituída pela Lei n° 12.187/2009. Ele tem por finalidade financiar projetos, estudos e empreendimentos que visem à mitigação (ou seja, à redução dos impactos) da mudança do clima e à adaptação a seus efeitos. O Fundo Clima é vinculado ao Ministério do Meio Ambiente (MMA) e disponibiliza recursos em duas modalidades, a saber, reembolsável e não reembolsável. Os recursos reembolsáveis são administrados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Os recursos não reembolsáveis são operados pelo MMA. Um percentual de 2% da verba anual fica reservado para o pagamento do agente financeiro e quitação de despesas relativas à administração e gestão.
As fontes de recursos do Fundo Clima são:
Dotações consignadas na Lei Orçamentária Anual (LOA) da União;
Doações de entidades nacionais e internacionais, públicas ou privadas;
Outras modalidades previstas na lei de criação.
O Fundo é administrado por um Comitê Gestor presidido pelo secretário-executivo do MMA. O Comitê deve aprovar a proposta orçamentária e o Plano Anual de Aplicação de Recursos do Fundo, o PAAR. Ao final de cada ano, precisa elaborar relatórios sobre a aplicação das verbas. O órgão colegiado tem também a atribuição de estabelecer diretrizes e prioridades de investimento com frequência bienal. Por fim, o Comitê Gestor tem a função de autorizar o financiamento de projetos e recomendar a contratação de estudos.

Da Redação
Fotos: Reprodução/Pick-upau

 
 
 
 
Copyright 2017 - Pick-upau - Todos os direitos reservados - São Paulo - Brasil
Fazendo você entender o Meio Ambiente por inteiro.