Gavião-carijó (Rupornis magnirostris)
 
 
Anatomia e Morfologia
Músculos bem definidos sustentam desempenho atlético em aves
O tamanho das fibras musculares define o desempenho do voo das aves
 

06/02/2021 – A estrutura muscular e o tamanho dos corpos de atletas dizem muito sobre seu desempenho. Esse também parece ser o caso de aves marinhas que conseguem se deslocar por centenas de quilômetros e por dias em busca de alimento, de acordo com um novo artigo de pesquisadores da Universidade McGill publicado no Journal of Experimental Biology.

Os cientistas estudaram uma colônia de pequenas gaivotas, conhecidas como gaivota-tridáctila (Black-legged kittiwake), que se reproduzem e fazem ninhos em uma torre de radar abandonada na Ilha Middleton, no Alasca. Foram conectados acelerômetros GPS- Fitbit para aves, com objetivo de monitorar seu desempenho de voo e descobriram que essas aves podem viajar até 250 km por dia para buscar alimento para seus filhotes.


Reprodução/Wikipedia

 



Os pesquisadores analisaram dados do rastreador de GPS e amostras de músculos de algumas das aves e descobriram que, apesar de bater as asas com menos frequência, os indivíduos com fibras musculares maiores eram capazes de voar tão rápido quanto aquelas com fibras menores. Outra descoberta da equipe é que as aves que voam mais rápido têm um número maior de núcleos que produzem proteínas que impulsionam o voo, em suas células musculares, permitindo que essas aves ativem mais fibras musculares para melhorar o desempenho do voo.

Os atletas se exercitam para manter a tônus muscular. Segundo os pesquisadores, o mesmo pode estar ocorrendo com as gaivotas, sobretudo, naqueles indivíduos que se exercitam mais, ou seja, voam mais, tendo músculos mais desenvolvidos do que aqueles que voam menos.

“Claramente, como atletas de elite, elas precisam ter o corpo e músculos apropriados em excelente forma para poder viajar por longas distâncias para alimentar seus filhotes. Mas há uma questão biológica de longa data sobre por que algumas aves individuais têm um desempenho tão melhor do que outras”, diz Kyle Elliott, professor assistente do Departamento de Ciências de Recursos Naturais da Universidade McGill na Escola de Meio Ambiente de Bieler e co-autor de o estudo.


Reprodução/Maxpixel

 



“Estudos anteriores se concentraram nos níveis hormonais, massa corporal ou níveis de glóbulos vermelhos como um indicador de desempenho de voo. Descobrimos que a estrutura muscular e a massa corporal juntas predizem o desempenho", conclui.

“Com os dados dos acelerômetros GPS, podemos entender muito sobre essas aves, como e onde encontrarão comida, a velocidade com que voam e a frequência com que batem as asas durante o voo”, diz Kristen Lalla, a primeira autora do artigo, do qual foi co-autora como estudante de graduação sob a supervisão de Elliott. “No passado, um dos desafios de medir a estrutura muscular em pequenas aves era que geralmente exigia a biópsia do músculo”.

Em outubro de 2017, período do estudo, o Golfo do Alaska sofreu uma grande onda de calor marinho e as gaivotas foram forçadas a forragear de quatro a cinco vezes mais longe do que estavam acostumadas. Os pesquisadores agora querem determinar com a estrutura muscular e o desempenho do voo pode variar quando as condições climáticas e ambientais são menos desafiadoras. A pesquisa foi financiada pelo Conselho de Ciências Naturais e de Pesquisa em Engenharia.


Reprodução

 



Fonte: Journal of Experimental Biology doi: 10.1242 / jeb.234104


Criado em 2015, dentro do setor de pesquisa da Agência Ambiental Pick-upau, a Plataforma Darwin, o Projeto Aves realiza atividades voltadas ao estudo e conservação desses animais. Pesquisas científicas como levantamentos quantitativos e qualitativos, pesquisas sobre frugivoria e dispersão de sementes, polinização de flores, são publicadas na Darwin Society Magazine; produção e plantio de espécies vegetais, além de atividades socioambientais com crianças, jovens e adultos, sobre a importância em atuar na conservação das aves.

Da Redação com informações Community News
Fotos: Reprodução/Maxpixel/Wikipedia

 
 
 
Quero-quero (Vanellus chilensis)
 
 
 

   
 
_Acompanhe as ações e atividades do Projeto Aves
     

 

     
             
             
  Patrocínio          
   
             
             
     
 

Nas Redes

Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental  
 
Copyright 2015-2021. Projeto Aves. © Agência Ambiental Pick-upau. Todos os direitos reservados.