Talha-mar (Rynchops niger)
 
 
Dia do Rock é dia de aves
A história do rock é repleta de citações sobre aves. Bandas inglesas, americanas, até canadenses e australianas já tiveram pássaros em suas músicas e álbuns
 

13/07/2018 – Dia Internacional do Rock – Quem conhece a Pick-upau e seus fundadores sabe que a Organização, digamos assim, tem uma pegada mais rock n’ roll, como dizem. E esse estilo universal de música acaba influenciando nosso trabalho e servindo de trilha sonora na vida da Organização, ao longo desses 19 anos. Temos como costume escutar música quando estamos no escritório, no carro, durante as inúmeras viagens e nas horas vagas vamos a alguns shows para variar.

Com tanto rock na vida e 'vinte quatros' horas pensando e trabalhando na conservação da biodiversidade, não é de se estranhar que façamos algumas relações. Todos sabem, a Pick-upau tem como símbolo uma ave (saiba mais sobre a marca), apesar disso, a Organização passou a trabalhar diretamente com fauna apenas a partir de 2015, boa parte de sua vida desenvolveu atividades e projetos voltados à manutenção da flora e de habitats.

Com patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental, a Agência Ambiental Pick-upau, passou a dividir seu tempo com atividades de pesquisa e conservação da avifauna. Agora em 2018, instituições estrangeiras de conservação como a National Audubon Society, National Geographic, BirdLife International e The Cornell Lab of Ornithology, oficializaram 2018 como o Ano da Ave e realizarão diversas atividades ao longo do ano.

Aqui no Brasil a Pick-upau também promoverá inúmeras ações e pesquisas voltadas à conservação e ao conhecimento das aves, incluindo uma série de matérias especiais sobre o tema. Neste sentido, produziremos conteúdo sobre os diversos aspectos que cercam essa classe de animais tão diversa e fascinante, incluindo sua relação com o homem, desde a pesquisa científica, passando por sua analogia na vida humana até seu fascínio na arte e na cultura mundial.

Para falar sobre meio ambiente a Pick-upau tem alguns anos de experiência e cada ano acumula mais conhecimento e amplia seus meios de comunicação. Já sobre o rock n’ roll, seus fundadores possuem lembranças bem mais antigas.
Você, sobretudo que gosta de música, já parou para pensar como a história do rock retratou as aves ao longo desses anos? Temas de músicas, nomes de álbuns, capas de discos e até nome das próprias bandas.

Desde a norte americana Eagles, formada em 1971; passando pela primeira banda de Eric Clapton, Jimmy Page e Jeff Beck (isso mesmo), os Yardbirds; da mais nova, The Black Crowes, formada em 1984, com cara (e som) dos anos 60 (Rolling Stones), até a mais velha entre as citadas, a californiana The Byrds, de 1964.

As aves também foram tema de muitas músicas. Quem curte rock com certeza já ouviu “Learning to Fly”, a do Pink Floyd, não a do Foo Fighters (Learn to Fly), que também é ótima. Na canção do disco “A Momentary Lapse of Reason”, de 1987, já sem Roger Waters. O Pink Floyd também pode ser legal sem Waters, a letra fala sobre o desejo humano que é uma característica das aves, voar, no clipe oficial isso fica ainda mais evidente.

A Lynyrd Skynyrd também usou os pássaros para falar de amor na clássica e longa “Free Bird”, de nove minutos, do álbum de 1973, “Pronounced 'Leh-'nérd 'Skin-'nérd”. Em 1975, uma das maiores bandas do mundo, o Rush, lançava o extraordinário “Fly by Night”, que além da música título, trazia na capa uma imensa coruja e mais uma vez os músicos usam as características das aves para falar sobre as relações humanas.

Podemos citar a instrumental “Albatross” lançada em 1968 como single pelo Fleetwood Mac, mais tarde relançada no álbum “The Pious Bird of Good Omen”, de 1969. Falando em liberdade não temos como esquecer “Free as Bird” da britânica Supertramp, de 1987, do álbum de mesmo nome, ou ainda a versão ‘perdida’ de “Free As Bird” dos Beatles, lançada na coletânea “The Beatles Anthology 1”, de 1995.

E a lista vai longe, “Birds”, do Coldplay; “Black Swan” e “Blackest Crow”, do Megadeth; “Blackbird Chain”, do Beck; “Fly Like An Eagle”, da Steve Miller Band; “Seagull” (Gaivota), da Bad Company; “Vulture” (Abutre), do Iggy Pop; “Where Eagles Dare”, do Iron Maiden; e claro “Woodpecker” (Pica-pau), do lendário Chuck Berry, um dos pioneiros do rock n’ roll nos Estados Unidos.

E o que falar de “Dodo”, da banda inglesa, Genesis, do baterista e vocalista Phil Collins (ok de Peter Gabriel também). Isso mesmo o Dodo (Raphus cucullatus) a famosa ave descoberta em 1598 e extinta há mais de três séculos. A espécie que ajudou Charles Darwin a explicar a Teoria da Evolução, também foi tema de rock progressivo. O que não dizer ainda da divertida e quase infantil “Surfin' Bird”, que foi imortalizada na voz e rapidez dos Ramones, lançada no excelente álbum “Rocket to Russia”, de 1977.

Mas talvez, e não por acaso, uma das mais lindas canções (letra e música) seja de uma das, senão a maior banda de todos os tempos, os Beatles. Composta por Paul McCartney, “Blackbird” talvez sintetize o que tentamos mostrar nessa matéria. A canção tocada apenas no violão de McCartney diz no inicio da letra “Blackbird singing in the dead of night / Take these broken wings and learn to fly / All your life / You were only waiting for this moment to arise”, em uma tradução livre “Pássaro negro cantando na calada da noite / Pegue essas asas quebradas e aprenda a voar / Durante sua vida toda / Você só estava esperando este momento para decolar”, é de fato belíssima.

Passando pelos mais diversos estilos do rock, desde o hard rock, passando pelo punk, progressivo, gótico, ativista, nu metal, trash metal, rock eletrônico, clássico e o que mais você puder classificar as bandas sempre fizeram menções aos pássaros em seus discos, canções e principalmente nas capas de álbuns. Das (os) norte americanas (os) Black Crowes, Eagles, Faith No More, Fleetwood Mac, Kansas, Korn, Lynyrd Skynyrd, Jorney e No Doubt. Do multi-instrumentista Prince, ouça a maravilhosa “When Doves Cry”, do antológico álbum Purple Rain, de 1984.

Até as (os) inglesas (es) Depeche Mode, Ermerson, Lake & Palmer, The Animals, Judas Priest, New Order, Peter Frampton, Rolling Stones; a banda de Brian Ferry, Roxy Music; Supertramp, Talk Talk, The Kinks, The Mission, The Yardbirds e Yes; ou da pesadíssima Slayer, de Tom Arraya; do Power trio canadense Rush ou ainda da competente australiana Midnight Oil.

Aves das mais variadas espécies já renderam inúmeros clássicos do rock, excelentes álbuns e nomes a bandas icônicas. Esses animais que estão presentes diariamente em nossas vidas, onde você estiver, precisam, tanto quanto nós humanos, de um planeta equilibrado e sustentável, por isso na próxima vez que estiver ouvindo uma canção sobre elas lembre-se da sua importância para o mundo e para nossas vidas. Até a próxima.

O Projeto Aves realiza diversas atividades voltadas ao estudo e conservação desses animais. Pesquisas científicas como levantamentos quantitativos e qualitativos, pesquisas sobre frugivoria e dispersão de sementes, polinização de flores, são publicadas na Darwin Society Magazine; produção e plantio de espécies vegetais, além de atividades socioambientais com crianças, jovens e adultos, sobre a importância da conservação das comunidades de avifauna.

Em comemoração ao centenário da aprovação da Lei do Tratado das Aves Migratórias (MBTA, na sigla em inglês), importantes instituições estrangeiras como National Audubon Society, National Geographic, BirdLife International e The Cornell Lab of Ornithology, oficializaram 2018 como o Ano da Ave. Aqui no Brasil, a Agência Ambiental Pick-upau também realizará uma série de ações para a promoção do Projeto Aves, patrocinado pela Petrobras, incluindo matérias especiais sobre as aves nas mais diversas áreas, como na cultura.

O Projeto Aves é patrocinado pela Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental, desde 2015.

Veja a seguir algumas bandas e artistas que usaram pássaros nas capas de seus álbuns:

Reprodução

Greatest Hits 1990–1999: A Tribute to a Work in Progress..., do Black Crowes, de 2000.
 
 
The Black Crowes Live, de 2002.
 
 
Warpaint Live, do Black Crowes, de 2009.
 
 
Preflyte, dos Byrds, de 1969.
 
 
Speak & Spell, de 1981, da britânica Depeche Mode.
 
Their Greatest Hits (1971–1975), dos Eagles, lançado em 1976.
 
Álbum de estreia de Emerson, Lake & Palmer, de 1970.
 
Angel Dust, o quaro álbum do Faith no More, lançado em 1992.
 
Kiln House, de 1970, Fleetwood Mac.
 
Penguin, de 1973, do Fleetwood Mac.
 
Tango in the Night, do Fleetwood Mac, de 1978.
 
E ainda The Pious Bird of Good Omen, também do Fleetwood Mac, de 1969.
 
Mais uma vez, Fleetwood Mac, agora com Time, de 1995.
 
Dream, After Dream, de 1980, da Journey.
 
Judas Priest, com Screaming for Vengeance, de 1982.
 
Song for America, lançado pelo Kansas, em 1975.
 
The Prelude Implicit, do Kansas, de 2016.
 
Untitled, do Korn, de 2007.
 
Last of a Dyin' Breed, de 2012, da Lynyrd Skynyrd.
 
Bird Noises, de 1980, da australiana Midnight Oil.
 
A excelente coletânea do New Order, de 2002, Retro.
 
The Beacon Street Collection, do No Doubt, de 1995.
 
Wind of Change, de 1972 do guitarrista Peter Frampton.
 
Around the World in a Day, de 1985, do multi-instrumentista Prince.
 
One Nite Alone..., do Prince de 2002.
 
Com os Rolling Stones demorou, mas em 2012, L.A. Friday trouxe uma águia estilizada.
 
Oitavo álbum de estúdio do Roxy Music, o excelente Avalon, de 1982.
 
Fly by Night, do Rush, de 1975.
 
O pesadíssimo Soundtrack to the Apocalypse, do Slayer, de 2003.
 
Em 1987, o Supertramp lança Free as a Bird.
 
Asides Besides, do Talk Talk, de 1998.
 
It’s My Life, lançado pelo Talk Talk, em 1984.
 
Laughing Stock, do Talk Talk, de 1991.
 
London 1986, lançado pelo Talk Talk, em 1995.
 
Missing Pieces, de 2001, do Talk Talk.
 
Natural History: The Very Best of Talk Talk, de 1990.
 
Arthur (Or the Decline and Fall of the British Empire), lançado pelo Kinks, em 1969.
 
Soap Opera, do Kinks, de 1975.
 
Carved in Sand, do The Mission, de 1990.
 
Birdland, de 2003, do Yardbirds.
 
Live Yardbirds: Featuring Jimmy Page, de 1971.
 
Golden Eggs, do Yardbirds, de 1975.
 
E More Golden Eggs, também do Yardbirds, de 1975.
 
A banda Yes, ainda lançaria Fly from Here em 2011.
 
Segundo álbum ao vivo do Yes, Yesshows, de 1980.



Da Redação
 
 
 
Periquito-rico (Brotogeris tirica)
 
 
 

 

     
       
       
Patrocínio      
 
       
       
   
 
_Acompanhe as ações e atividades do Projeto Aves
     
 

Nas Redes

Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental  
 
Copyright 2018 © Agência Ambiental Pick-upau. Todos os direitos reservados.