Talha-mar (Rynchops niger)
 
 
Cerca de 900 mil pinguins desapareceram em arquipélago
Cientistas tentam descobrir as causas
 

31/03/2020 – Segundo pesquisadores da Agência Nacional Francesa de Pesquisa, (CNRS –
Centre National de la Recherche Scientifique, na sigla original), cerca de 900 mil pinguins-rei (Aptenodytes patagonicus) desapareceram. Os cientistas investigaram a ilha vulcânica Île aus Cochons, localizada entre Madagascar e a Antártida.

Os cientistas realizaram a expedição no arquipélago subantártico de Crozet, que faz parte das Terras Austrais e Antárticas Francesas, administradas pela França, com objetivo de descobrir o motivo desse desaparecimento em massa, no entanto, nenhuma das hipóteses levantadas pôde ser comprovada.

Reprodução/Wikipedia/Maxpixel

 



O ecologista Henri Weimerskirch, da CNRS, diz que a ilha, localizada no sul do Oceano Índico, mantinha a maior comunidade de pinguins-rei do mundo nos últimos anos e a segunda maior colônia entre todas as 18 espécies de pinguins.

A expedição realizada em novembro de 2019, registrou diversas clareiras nos locais onde várias gerações de pinguins viviam. Os pesquisadores acreditam que os pinguins migraram por uma rota marítima e não retornaram à sua ilha de origem. A ausência de grupos nas ilhas próximas reforça a teoria.

Entretanto, quando analisada as características da espécie as dúvidas surgem. Os pinguins-rei são normalmente aves fiéis ao local de nascimento e ao primeiro local de reprodução. Segundos os pesquisadores, não é provável que indivíduos adultos e jovens da ilha tenham comportamento diferente de outras colônias.

Para obter mais dados, os pesquisadores instalaram armadilhas fotográficas de visão noturna para tentar registrar gatos e ratos, que foram introduzidos na ilha por baleeiros e caçadores há muito anos. Esses animais costumam comer ovos e filhotes de aves marinhas. No entanto, nenhuma evidência foi registrada nesse sentido.

Reprodução/Wikipedia/Maxpixel

 



Também foram coletadas amostras de sangue dos pinguins, com objetivo de identificar alguma doença. Os pesquisadores ainda desenterraram alguns ossos para análises de outras evidências ecológicas recentes, incluindo a mudança da dieta.

Os pesquisadores buscaram outras evidências como erupções vulcânicas, em imagens de satélite e fotografias aéreas de um possível tsunami, mas ambas as situações foram descartadas. Os cientistas entendem que outros dados precisam ser analisados para que explicações sobre o desaparecimento ou declínio dos pinguins sejam elucidados. As informações foram publicadas na revista Science.

Projeto Aves realiza diversas atividades voltadas ao estudo e conservação desses animais. Pesquisas científicas como levantamentos quantitativos e qualitativos, pesquisas sobre frugivoria e dispersão de sementes, polinização de flores, são publicadas na Darwin Society Magazine; produção e plantio de espécies vegetais, além de atividades socioambientais com crianças, jovens e adultos, sobre a importância da conservação das comunidades de avifauna.

Da Redação, com informações da Revista Science/MSN
Fotos: Reprodução/Maxpixel/Wikipedia

 
 
 
Periquito-rico (Brotogeris tirica)
 
 
 

   
 
_Acompanhe as ações e atividades do Projeto Aves
     

 

     
             
             
  Patrocínio          
   
             
             
     
 

Nas Redes

Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental  
 
Copyright 2015-2020. Projeto Aves. © Agência Ambiental Pick-upau. Todos os direitos reservados.