São Paulo, SP – Brasil
 
  +Blog da Pick-upau
   
  29/04/2007
  Tráfico de elefantes
 

Répteis, aves, anfíbios, insetos são constantemente apreendidos com traficantes, mas desta vez cinco homens foram presos pelo contrabando de dois elefantes.

A apreensão foi feita entre a fronteira de Mianmar com a Tailândia. Os animais, um filhote e uma fêmea foram levados para a Tailândia em uma embarcação pelo rio Salween de Mianmar, informou Preecha Chalermpichai, chefe dos guardas-florestais do distrito fronteiriço de Mae Sariang, onde aconteceu o desembarque.

Os suspeitos identificados como três tailandeses e dois habitantes de Mianmar, poderão ser processados, e se condenados, pegar até 15 anos de prisão, pelo tráfico dos elefantes.

Os paquidermes foram levados para uma área de proteção ambiental em Mae Sariang, onde ficarão até o julgamento dos suspeitos, disse Preecha. Segundo organizações de proteção animal, este contrabando é comum, muitos elefantes vindos de Mianmar são usados por circos e para passeios turísticos na Tailândia.

Da Folha de São Paulo/Associated Press

 
  Postado às 18h35
 
|
 
  29/04/2007
  Mudança de comportamento
 

Uma pesquisa realizada em Londres (Inglaterra) constata que 43% dos entrevistados gostariam de não consumir produtos com excesso de embalagem.

Cerca de 19% dos entrevistados só utilizam produtos embalados com material reciclável. Já 30% dos consultados esperam modificações das redes de supermercados. De acordo com o relatório, realizado pelo Institute of Grocery Distribuition, uma empresa britânica especializada na distribuição para supermercados, o excesso de embalagens incomoda os consumidores.

A resposta é baseada no trabalho na hora de se desfazer do lixo acumulado. A pesquisa ainda avaliou que 60% dos entrevistados reciclam seu lixo e 37% reutilizam as sacolinhas dos supermercados.

"Inovações nas embalagens e etiquetas que reduzem o desperdício são muito bem aceitas pelos consumidores, contribuindo para uma boa imagem corporativa e competitividade", diz Gerardine Padbury, analista de consumo.

A pesquisa indica que há razões comerciais para a redução de embalagens. "Reduzir embalagens pode ser uma oportunidade potencialmente lucrativa para o varejo e seus consumidores", conclui a pesquisa.

San Francisco proíbe sacolas de plástico

A Prefeitura da cidade de San Francisco, nos Estados Unidos, aprovou um projeto que irá proibir sacolas de plástico utilizadas pelos supermercados, como forma de reduzir o impacto ambiental.

"Muitas cidades estrangeiras e outros países já adotaram legislações semelhantes", disse Ross Mirkarimi, que criou o projeto. Ele espera que a iniciativa seja adotada por outras cidades americanas.

Com a sanção da lei, o prefeito Gavin Newsom, torna a cidade de San Francisco pioneira neste tipo de iniciativa, nos EUA. Segundo o texto do projeto, os supermercados não poderão fabricar sacolas plásticas, com derivados do petróleo, dentro de seis meses. Já as farmácias terão um ano para se adaptar às novas regras.

Do Estado de São Paulo/Folha/EFE

 
  Postado às 18h22
 
|
 
  29/04/2007
  Arte com insetos e répteis
 

Uma exposição artística na cidade de Vancouver, no Canadá, fez os defensores dos direitos dos animais ficarem furiosos, informou jornal "The Globe and Mail". Uma instalação do artista chinês Huang Yong Ping, traz gafanhotos, escorpiões, baratas, centopéias, tarântulas e largatixas debaixo de um domo em formato de casco de tartaruga.

Reprodução

Segundo os curadores da exposição a obra, nomeada de "Teatro do mundo", demonstra "um microcosmos dos conflitos mundiais", produzido pelo próprios homens.

"É claro que seu objetivo é fazer o espectador ver os conflitos entre animais, e isso só pode, francamente, sair de um cérebro muito doente", disse Peter Fricker, da organização Vancouver Humane Society, que pediu o cancelamento da exposição. "Não é aceitável fazer isso sob o pretexto da arte", completou.

Da Folha de São Paulo/France Press

 
  Postado às 18h10
 
|
 
  29/04/2007
  Pessoas de lixo
 

O artista plástico alemão HA Schult está viajando pelo mundo com a exposição "Trash People", (pessoas de lixo, em inglês), formada por esculturas em forma de pessoas produzidas a partir do lixo. O trabalho é um protesto contra a sociedade consumista que domina o mundo.

A mostra já passou por Paris, (França), Colônia (Alemanha) e Moscou (Rússia), além de serem expostas em frente às pirâmides do Egito e na Grande Muralha da China. Atualmente a exposição está em Piazza del Popolo, em Roma (Itália) com 1.000 esculturas, depois seguirá para Barcelona (Espanha) e Nova York (Eua).

Divulgação

"Logo, logo as esculturas serão mais famosas que qualquer outro alemão", disse Schult na inauguração da exposição em Roma. "O lixo é mais forte que a política", completou.

As obras que têm 1,80 metros de altura e foram vistas por cerca de 1 milhão de pessoas em sua passagem por Colônia. "Hoje em dia, tudo pode ser transformado em arte", diz o artista alemão de 67 anos.

Da folha de São Paulo/BBC Brasil

 
  Postado às 17h57
 
|
 
  28/04/2007
  Peixe com 100 anos é encontrado no Alasca
 

Um peixe com cerca de 1,12 metros e 27 kg foi capturado por um barco comercial, da companhia Trident Seafoods, no Alasca. A curiosidade, é que o exemplar tem mais de 100 anos. A fêmea, que foi encontrada em fevereiro, estava com o ovário cheio de embriões.

AP/Reprodução

A idade do peixe foi constatada após a análise de especialistas da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera no Centro de Ciência no Alasca, que mediram, fotografaram e estimaram que o peixe tenha entre 90 e 115 anos. Segundo o cientista Paul Spencer, este foi o exemplar mais antigo desta espécie já encontrado.

Folha de São Paulo/Associated Press

 
  Postado às 16h33
 
|
 
  28/04/2007
  Foo Fighters fará show pela Terra
 

Astros da música farão show para alertar o mundo sobre o aquecimento global. O evento está sendo organizado pelo ex-vice-presidente americano Al Gore, que e janeiro ganhou dois Oscars pelo documentário “Uma Verdade Inconveniente”.

O Live Earth terá shows simultâneos em todo o planeta. O concerto de Londres contará com Madonna, Beastie Boys, Red Hot Chilli Peppers, Black Eyed Peas e Foo Fighters. Seguindo o formato do Live Aid e o Live 8, o evento quer conscientizar as pessoas sobre os efeitos da mudança climática no mundo.

Divulgação
Dave Grohl, guitarrista e vocalista do Foo Fighters

Além de Londres (Inglaterra), acontecerão shows em New Jersey (EUA), Johannesburgo (África do Sul), Tóquio (Japão) e até na Antártida, informaram os organizadores.

Participarão também dos shows Bon Jovi, Smashing Pumpkins, Alicia Keys entre outros. "Esta formação [de artistas] garantirá que o Live Earth cumpra o objetivo de reunir as pessoas do mundo para combater a crise no clima", disse o fundador do evento, Kevin Wall.

Os organizadores, que também prometeram um show para a Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, avaliam que mais de 2 bilhões de pessoas assistam aos concertos. Os recursos obtidos serão doados para a criação de uma fundação de combate ao aquecimento global, liderada pela Alliance for Climate Protection (Aliança para a Proteção do Clima), presidida por Al Gore.

Da Folha de São Paulo

 
  Postado às 16h20
 
|
 
  28/04/2007
  China quer cobrar por uso da natureza
 

Pequim – O governo da China quer impor medidas para acabar com a exploração predatória dos recursos naturais em seu país, informou a agência de notícias Xinhua. Segundo Ma Kai, ministro da Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento (principal órgão de planejamento econômico), os impostos sobre a exploração dos recursos naturais são "obviamente muito baixos".

"A tonelada de petróleo é vendida a mais de 3 mil iuanes (US$ 375) na China, mas o custo tributário é de apenas 14 a 30 iuanes (US$ 1,8 a 3,8) por tonelada", disse kai.

O governo chinês irá acelerar a reforma tributária e pretende com isso, deter o avanço sobre a natureza e aumentar a arrecadação de impostos. Um dos principais desafios dos economistas chineses é fixar diferentes impostos para a exploração dos diversos minerais, sem causar prejuízos aos empresários e aos consumidores.

Em 2006, a China consumiu 1,24 bilhão de toneladas de cimento (54 % do total do planeta), 388 milhões de toneladas de aço (30% do consumo mundial) e gastou 15% da energia do total produzida no planeta. As indústrias do país estão entre as mais poluidoras do mundo.

A maioria das empresas (cerca de 130 mil) de mineração recebeu licenças de exploração de forma gratuita.

Campeão de poluição

A poluição no país causa danos em 10% das áreas cultiváveis. Cerca de 10 milhões de hectares estão contaminados por águas poluídas e resíduos sólidos.

Segundo um relatório da “Analistas da Administração Estatal de Proteção Ambiental” (Saiba, sigla em inglês) e publicado no jornal "China Daily", a poluição causa perdas de US$ 2,5 bilhões ao ano.

Amostras coletadas em regiões consideradas “celeiros do país” como o delta do rio Yang Tse e a baía de Bohai, demonstram altos índices de poluição. Com apenas 13% de terras cultiváveis, cerca de 12 milhões de toneladas são perdidas todos os anos.

Em Yang Tse, os pesquisadores constataram quantidades espantosas de metais pesados e poluentes orgânicos. Por conta da combustão de 2 bilhões de toneladas de carvão o solo recebe 2.000 toneladas de mercúrio.

A China é o segundo maior emissor de CO2 do mundo e o campeão em emissões de dióxido de enxofre, que causa a chuva ácida.

Da Folha de São Paulo/EFE

 
  Postado às 15h47
 
|
 
  28/04/2007
  Arrrrrroto de Vaca
 

O cientista Winfried Dochner, da Universidade de Hohenheim, na Alemanha, também quer contribuir com a luta contra o aquecimento global. Ele apresentou a pílula antiarrotos para vacas. Segundo o pesquisador, os arrotos das ‘leiteiras’ são responsáveis por 4% das emissões de gás metano no mundo e alerta para o crescimento deste índice, já que o consumo de carne e os rebanhos estão aumentando em todo o planeta.

"Não podemos evitar esse desenvolvimento. Mas com novos métodos, podemos reduzir a influência das vacas no efeito estufa para até 3%, e ainda economizaremos dinheiro", diz Dochner, perito em nutrição animal.

A pílula tem o tamanho de um punho fechado e foi batizada de "Bolus". O remédio é composto de substâncias microbióticas que se dissolvem no estômago das vacas durante meses e facilita a digestão.

"Um animal que mastiga e digere continuamente melhora o aproveitamento de substâncias no seu próprio corpo. É como com as pessoas: mais refeições ao longo do dia são significativamente mais saudáveis para o corpo", diz o pesquisador.

O cientista procura patrocinadores para a sua invenção.

Da Folha de São Paulo/BBC

 
  Postado às 15h34
 
|
 
  28/04/2007
  O preço do aquecimento global
 

Berlim – Quatro bilhões de euros por ano, isso é o que vai custar à Alemanha para amainar os efeitos do aquecimento global. Segundo o Departamento Federal do Meio Ambiente, estes valores dobrarão na segunda metade do século.

De acordo com Andreas Troge, do departamento, os investimentos com energias renováveis chegaram a 100 bilhões de euros ao ano a parir de 2050, divulgou o jornal dominical "Bild am Sonntag".

"Se queremos deter o processo de aquecimento da Terra, como países industrializados, devemos reduzir as emissões de CO2 até 2050 em 80%", disse Troge. Se os investimentos não forem feitos a mudança climática causará grandes estragos em todo o planeta, dizem os especialistas.

ONU adverte Índia sobre contrabando de gases

Já na Índia, a ONU adverte sobre o contrabando de gases que destroem a camada de ozônio. Segundo o Programa da ONU para o Meio Ambiente (Pnuma, na sigla em inglês) contrabandistas escolhem a Índia como destino dos gases CFC (clorofluorcarbono).

Divulgação
Al Gore fala sobre o aquecimento global.

"O preço internacional do CFC é de cerca de US$ 2 por quilo, enquanto na Índia é de US$ 6 ou US$ 7", disse uma fonte do Pnuma.

Com apenas quatro fabricantes de CFC na Índia e a pequena concorrência, a alta dos preços favorece o contrabando. O Protocolo de Montreal, ratificado em 1987, proíbe a emissão de gases desta natureza. Mas o prazo acaba em 2010, o que está fazendo o Pnuma temer o aumento no contrabando e o fracasso da erradicação do CFC.

Da Folha de São Paulo/EFE

 
  Postado às 14h56
 
|
 
  27/04/2007
  Embrapa Amapá pesquisa melhoramento genético do açaí
 

A margem do Furo do Mazagão, no município homônimo do Estado do Amapá, é o endereço de um experimento da Embrapa Amapá que pesquisa o melhoramento genético do açaí. Isso significa que em três anos os produtores poderão contar com sementes melhoradas, que permitirão uma boa produtividade de açaí no ano inteiro. Com isso, tem-se uma perspectiva para acabar a escassez do "vinho da Amazônia" na época da entressafra, que geralmente vai de agosto a dezembro.

Para que isso seja possível, há seis anos Embrapa Amapá mantém um banco de germoplasma de açaí que ocupada uma área de quase 8 hectares. O açaizal, em molde experimental, é resultado de um projeto que contou com recursos do Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais (PPG7), Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e do Governo do Estado, via Secretaria de Ciência e Tecnologia (Setec).

Divulgação

De acordo com o pesquisador Silas Mochiutti, atualmente as plantas estão sendo avaliadas e será feita uma seleção daquelas que apresentam melhor produtividade - cachos maiores - para produção de sementes destinadas aos produtores. "No final deste ano, já teremos sementes para produtores que trabalham com açaizais de qualidade inferior, os chamados petecões (caroço grande, com cerca de 20 mm de diâmetros), aqueles que têm pouco valor no mercado porque apresentam pouca polpa", explicou Mochiutti.

No caso da semente prevista para 2010, será adequada às necessidades do produtor que já dispõe de plantas com boa produtividade do chamado açaí "chumbinho" (caroço pequeno, com cerca de 5 mm de diâmetros), com alta rentabilidade de polpa, porém, escasso no período da entressafra. Ou seja, trata-se de uma pesquisa que trabalha na perspectiva de obter sementes que garantam o farto fornecimento de açaí no Amapá o ano inteiro.

Até chegar ao estágio de obtenção de sementes melhoradas, o primeiro passo da pesquisa foi buscar açaizais produtivos, localizados em áreas de várzeas do Amapá e do vizinho estado do Pará. Em seguida, foram selecionadas matrizes de boa produtividade de frutos para que pudessem produzir as sementes. Portanto, o banco de germoplasma de açaí da Embrapa Amapá é uma área de vários açaizeiros com características diferentes, coletados nas várzeas dos dois estados. "Fizemos a seleção antes mesmo de formar o banco, e os critérios de escola foram os de melhor produtividade (cachos com mais frutos) e indicadores de qualidade", explicou Mochiutti.

Divulgação

O plantio das mudas das matrizes no campo do Mazagão começou em 2001. Nos anos de 2004, 2005 e 2006 e atualmente são feitas colheitas de frutos para serem comparados entre si, sempre a partir do critério de boa produtividade. Esta fase resultará, no futuro, na montagem de um banco de produção de sementes de matrizes selecionadas.

Das 295 matrizes selecionadas para fornecer sementes para formação do banco de germoplasma, 250 são resultados de sementes de açaí preto, que é o mais consumido, e 45 de açaí branco. De acordo com o pesquisador, deste total, 175 matrizes que são de materiais que produzem no verão, no segundo semestre do ano, que é o que interessa para a região do estuário do Amapá, justamente para suprir a procura no período da entressafra.

Divulgação
Pesdquisador Silas Mochiutti que coordena o projeto.

Quem caminha pelo açaizal da Embrapa, já percebe as plantas de melhor produtividade, as que têm cachos mais robustos. No final deste ano será possível confirmar as melhores progênies e disponibilizar sementes aos produtores para fazer plantio, dentro deste critério de melhor produtividade. Ainda não trata-se da "semente dos sonhos", como frisou Mochiutti, pois trata-se de um processo de melhoramento genético, que vai se aprimorando a cada ano, até que se obtenha, provavelmente em três anos, uma semente que garanta abundância de açaí no verão, de boa qualidade e a partir de plantio em um campo isolado.

Dulcivânia Freitas
Embrapa Amapá

 
  Postado às 17h17
 
|
 
  23/04/2007
  A Knutmania
 

O pequeno, por enquanto, urso polar knut, que ficou famoso no mês passado após um ambientalista local pedir sua morte, depois que ele foi rejeitado por sua mãe, está agitando o zôo de Berlim.

O urso virou um fenômeno, não só no zoológico, mas em toda a Alemanha. O parque registrou no mês de março cerca de 200 mil visitantes, o dobro do registrado normalmente. Segundo o diário alemão Sueddeutsche Zeitung, com a popularidade de Knut as ações do zoológico subiram 67% desde meados de janeiro.

Os alemães acompanham de perto o crescimento e as travessuras do pequeno urso, que possui até blog e já vendeu cerca de 2,4 mil ursinhos de pelúcia Knut.

Marca registrada

Ele virou capa de revista e manchete de primeira página nos principais jornais alemães, atrai a cada dia milhares de fãs, é tema de canções e estampa camisetas e pôsteres, é sem dúvida o ídolo do momento na Alemanha.

Reprodução
Blog do Knut

O zoológico de Berlim, onde Knut mora, já transformou seu nome em marca registrada e pretende estampar o pequeno urso até em cartões de crédito de um banco berlinense. Nascido em 5 de dezembro o urso polar se mantêm no topo do estrelato bem mais que muitas celebridades já conhecidas.

No dia de sua apresentação cerca de 500 jornalistas, entre os quais pelo menos uma centena de funcionários de TVs de todo o mundo.

A euforia em visitar Knut beira a histeria dos fãs "É tão bonito, tenho vontade de pegá-lo nos braços", disse Inge, de 75 anos, que foi ao zôo "especialmente por Knut". Já a pequena Paulina, de 10 anos disse que veio de Dortmund para conhecê-lo, "É adorável, parece um ursinho de pelúcia", completou.

"Para minhas filhas, é um grande dia. Em casa só falam de Knut e cobriram as paredes do quarto com suas fotos", disse Robin Hoeher, de 37 anos, ao lado das filhas Toyah e Leonie, de 5 e 8 anos.

"Até meados do ano ou no mais tardar, no fim do ano, esta loucura possivelmente terá acabado", prevê Andre Schüle, um dos veterinários do zoológico. "Em dezembro, Knut pesará entre 80 e 100 quilos e se tornará perigoso para seus tratadores. Ele não será mais um adorável ursinho de pelúcia", conclui.

Knut e DiCaprio

Depois de ser capa da “Vanity Fair”, uma semana antes da chanceler alemã, Angela Merkel, Knut ganhou mais um fã e mais uma matéria na revista. Desta vez o urso mais famoso da Alemanha dividirá o editorial com o ator Leonardo DiCaprio.

Divulgação
O ator Leonardo DiCaprio

DiCaprio,vestido de preto, e a brancura de Knut ilustram a capa da revista com o título "O número verde". Mas apesar de aparecerem juntos as fotos foram feitas em ocasiões diferentes, Knut foi registrado no zôo de Berlim e DiCaprio na Islândia, informou a revista.

O ator, 32, que já teve três indicações ao Oscar, tornou-se um das principais celebridades na causa ambiental. Veja mais no site www.the11thhourfilm.com. A matéria da "Vanity Fair" traz outras personalidades engajadas na preservação do meio ambiente como o ator e diretor Robert Redford, a cantora Alanis Morissette e o economista Nicholas Stern.

Ameaça de morte

A fama também pode trazer muitos problemas, até mesmo para um pequeno urso polar. Depois de escapar da intolerância de um ambientalista local, Knut pode estar correndo perigo mais uma vez.

Segundo o zoológico de Berlim, a ameaça chegou por fax e foi escrita à mão. O jornal sensacionalista alemão "Bild" disse que o número de seguranças que vigiam a área do urso polar foi elevado de cinco para 15 pessoas. Um porta-voz da polícia esclareceu que Knut "não está sob proteção policial", mas que estão atentos a um eventual atentado. O jornal disse que "se algo de mal acontecer com Knut, isso seria uma verdadeira catástrofe".

Knut é o primeiro filhote de urso polar a nascer no zôo de Berlim em mais de 30 anos. Saiba mais sobre o urso Knut.

Da Folha de São Paulo/EFE/France Presse/BBC

 
  Postado às 15h55
 
|
 
  23/04/2007
  O Papa é Pop
 

Roma – Pop ou fashion? Para ativistas dos diretos dos animais nem uma coisa nem outra. Ambientalistas enviaram pedido ao Papa Bento 16 para que ele deixe de usar roupas de pele em sinal de respeito a "santidade de todas as espécies vivas".

Bento 16, que completou oitenta anos, foi visto usando um gorro vermelho aveludado, conhecido como “camauro”, com detalhes de pele de arminho branco.

Divulgação
Papa Bento 16

A peça era muito usada por papas do período medieval, e pode ser visto e muitas pinturas da época. Já o Papa Bento 16 costuma usar o gorro em ocasiões especiais, como audiências com chefes de Estado.

O pedido foi feito pela Liga Antivivisecção, antes da visita do papa a Pavia, norte da Itália. A cidade é conhecida pela produção de roupas de pele.

"Pedimos ao Santo Padre que faça uma escolha de grande significância religiosa e ética ao não usar pele nessa ocasião e mesmo no futuro", disse o grupo em comunicado.

Da Folha de São Paulo/Reuters

 
  Postado às 15h33
 
|
 
  23/04/2007
  Chegou a hora da matança
 

Montreal - Canadá abre temporada anual de caça às focas e mais uma vez recebe duras criticas de ambientalistas, que afirmam que o número desses animais está diminuindo.

Já o governo canadense, que promove o “evento” todos os anos, informou que o número de focas abatidas durante a primeira fase da temporada de caça, foi menor que o esperado, cerca de 860 animais.

Segundo o governo, a queda deveu-se ao degelo prematuro no Atlântico Norte, que teria reduzido a matança naturalmente. O Massacre ocorre no Golfo de St. Lawrence, no leste do Canadá, onde a espécie comum é a foca-da-groenlândia (Pagophilus groenlandicus).

Greenpeace
Matança de focas no Canadá

Segundo o departamento responsável pela caça de focas no Canadá, foi autorizado o abate de 270 mil focas em 2007. Em relação a 2006, uma redução de 65 mil indivíduos. A organização não-governamental americana de proteção aos animais The Humane Society of the United States, flagrou os primeiros dias da caçada e relatou uma crueldade ainda maior que o habitual. A ONG disse que os caçadores estão atirando em filhotes que tentam se agarrar aos finos blocos de gelo para escapar da morte.

A alteração no degelo, do Atlântico Norte, mais um efeito do aquecimento global, salvou providencialmente as focas, e promoveu uma situação incomum nessas caçadas. Diversas embarcações ficaram presas no gelo. Os caçadores subestimaram o poder da natureza, já que inteligência é algo que falta mesmo nesses intrépidos pescadores. O governo canadense, solidário com seus contribuintes, providenciou alimentos e outros mantimentos para a sobrevivência dos caçadores. Saiba mais sobre caça de focas no site do Greenpeace.

Da BBC Brasil/Folha de São Paulo

 
  Postado às 15h10
 
|
 
  23/04/2007
  Revitalização do São Francisco
 

Ministro critica argumento de que revitalização do São Francisco tem que anteceder transposição das águas do rio

Brasília - O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, classificou de “falacioso” o argumento de que é preciso primeiro fazer um grande projeto de revitalização do Rio São Francisco para depois tratar da transposição das águas.

“A revitalização deve ser feita antes, durante e depois [da transposição]”. Geddel fez afirmação ao participar de audiência pública na Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento regional da Câmara. Segundo ele, já existem várias iniciativas pela revitalização estão em andamento.

Agência Brasil
Ministro Geddel Vieira Lima

Para o ministro, os debates sobre o tema estão sendo conduzidos de forma apaixonada e as discussões são feitas na linha do “não conheço, não gostei e não aprovo”.

“Não posso concordar com a tese de que tirar 26 metros cúbicos por segundo de água vai matar o Rio São Francisco. Isso inexiste.”

O ministro disse ainda que a prioridade do projeto deve ser o fornecimento de água para o consumo humano. A estimativa, segundo ele, é que em meados do segundo semestre deste ano as obras tenham início.

Agência Brasil/Yara Aquino

 
  Postado às 14h55
 
|
 
  23/04/2007
  Felinos ameaçados
 

A organização não governamental WWF (Fundo Mundial para a Natureza), pediu ao governo russo que crie uma reserva nacional no extremo leste do país, para proteger uma espécie ameaçada de extinção, o leopardo amur (Panthera pardus orientalis).

Segundo um censo feito por pesquisadores americanos e russos, restam apenas entre 24 e 35 leopardos amur vivendo em seu habitat natural, na fronteira com a China ao longo do rio Amur. "Os zoológicos possuem centenas de leopardos amur que poderiam ser soltos", afirmou Igor Tchestine, chefe do braço russo do WWF.

O felino que era encontrado em florestas da Rússia, China e Coréia do Norte, hoje está ameaçado de extinção por causa da caça e da redução das matas que se resume na região ao redor do lago Jasan, em Primorie, que possui cerca de 400 mil hectares.

Um leopardo amur adulto pode chegar a 1,70m de comprimento e pesar 60 kg.

Leões morrem na Índia

Centenas de guardas e um circuito fechado de TV serão usados para proteger raros leões asiáticos em seu habitat na Índia, informou o governo do Estado de Gujarat, onde esta localizado o santuário selvagem Gir.

A medida foi tomada depois que dez leões foram encontrados mortos nas últimas seis semanas, seis mortos por caçadores. Nos últimos cinco anos cerca de 21 animais morreram ao cair em poços abertos no parque que possui 1.400 quilômetros quadrados.

Os leões asiáticos possuem características diferentes dos africanos. Uma dobra na barriga e uma juba mais fina diferem de seu parente. Apesar das mortes recentes, de acordo com um censo do governo indiano, o número de leões no santuário aumentou de 327 em 2001 para 359 em 2005.

As autoridades locais dizem que os caçadores matam os leões para vender os ossos a China (só poderia ser) onde o objeto tem muito valor, já as garras são usadas como pingentes por chineses que acreditam que o uso do artefato aumente a virilidade. Mais uma vez a China! No mundo do “Viagra” os chineses insistem em viver da “sabedoria milenar” e promovem, mesmo que indiretamente, a matança de várias espécies em todo o planeta.

Da Folha de São Paulo/Reuters

 
  Postado às 14h42
 
|
 
  23/04/2007
  Elefante mata companheira em zoológico
 

Jerusalém – Um elefante chamado Iosi, matou sua companheira Atara em zoológico no Oriente Médio. O acidente ocorreu no zôo de Ramat Gan, ao norte de Tel Aviv, em Israel. Segundo Saguit Horwitz, porta-voz do Safári – como o local é conhecido -, Iosi, que pesa cerca de 700 quilos, esmagou sua companheira contra um muro do zôo, o acidente ocorreu na presença de centenas de visitantes, mas não foi possível nenhuma reação para evitar o ataque.

Iosi é um dos elefantes do parque que possui a liderança entre os outros indivíduos, e aparentemente, a agressão foi uma disputa de poder. Atara, que tinha 48 anos, deixou vários filhotes. Iosi foi isolado dos outros animais.

"Consultaremos especialistas locais e estrangeiros sobre qual pode ser a causa do ataque", disse Horwitz. "Atara e Iosi se distinguiam pela atenção que davam um ao outro", informou o funcionário. Atara foi enterrada no cemitério de animais do zoológico.

Da EFE/Folha de São Paulo

 
  Postado às 13h45
 
|
 
  23/04/2007
  China quer mudar
 

Pequim – O país asiático mais populoso do planeta quer acompanhar as empresas mais poluentes instaladas em seu território. As 6.066 indústrias mais poluidoras da China, que são responsáveis por 65% das emissões e de resíduos, serão fiscalizadas por uma vigilância, informou o jornal China Daily.

Uma lista com o nome das fábricas foi publicada, pela Administração Estatal de Proteção Ambiental (Sepa, na sigla em inglês), entre as indústrias estão algumas das mais famosas do país, como a unidade da Sinopec, em Naijing e a quarta siderúrgica da China, Shougang com sede em Pequim.

O país que melhorar sua política ambiental, quase inexistente, dados os fatos diários de abuso ao meio ambiente. A china já sofre com a chuva ácida, a desertificação e a poluição de vários rios e lagos.

"Outros programas, como os créditos de carbono e o estudo nacional sobre a poluição, tomarão a lista como referência", disse Fan Yuansheng, diretor do Departamento de Controle de Poluição da Sepa.

Segundo o relatório da agência reguladora, 3.592 indústrias, das 6.066, são responsáveis por 65% das emissões de gases, outras 3.115 respondem pelos resíduos, portanto há 641 empresas que poluem em dobro.

A Sepa quer que as empresas listadas criem sistemas de controle automáticos conectados diretamente aos órgãos ambientais locais. A organização não-governamental WWF, disse que a iniciativa da Sepa é louvável, mas tem duvida sobre a imparcialidade das agências ambientais locais que podem sofrer pressões dos grandes grupos.

Da Folha de São Paulo/EFE

 
  Postado às 13h34
 
|
 
  23/04/2007
  Bush não, Justiça sim
 

A discussão sobre o aquecimento global nos Estados Unidos está só começando e as divergências entre o governo Bush e a Justiça também.

A Suprema Corte americana decretou que a EPA (Agência Nacional de Proteção do Meio Ambiente) e a administração do presidente George W. Bush, equivocam-se ao se recusar que o efeito estufa é causado por gases poluentes.

Diversos estados, grandes cidades e organizações ambientais seguiram a iniciativa de Massachusetts e solicitaram a Justiça que os gases do efeito estufa sejam reduzidos e regulados.

Reprodução

Através de uma decisão de cinco votos a quatro, a Suprema Corte disse que a EPA "não ofereceu nenhuma explicação racional". O juiz John Paul Stevens não aceitou a resposta do órgão ambiental federal de que não seria possível regular a emissão dos gases.

"Os perigos associados à mudança climática são graves e amplamente admitidos", completou. "Nós apenas mantemos que a EPA deve apresentar suas razões para a ação ou a falta de ação neste caso".

Essa foi a primeira decisão da Suprema Corte americana a favor do meio ambiente, no caso do aquecimento global.

Da Folha de São Paulo

 
  Postado às 13h29
 
|
 
  23/04/2007
  Água fria mata tubarões
 

Londres – O Centro Sea Life de Hunstanton informou que três tubarões teriam morrido em Norfolk, na Grã-Bretanha, por estarem em um aquário com água fria demais, cerca de dois graus centígrados abaixo do suportável para esses animais.

Os tubarões haviam sido transferidos de Great Yarmouth até o aquário recém-reformado. A administração do centro admitiu que o acidente ocorreu por causa de um erro de um funcionário.

É "quase sem precedentes na rede de Centros Sea Life", que disse já ter transportado cerca de cem tubarões nos últimos 20 anos. "Foram tomadas medidas para garantir que isso não aconteça de novo, inclusive com um programa de retreinamento e avaliação dos funcionários", disse um porta-voz. "Todos os envolvidos com o aquário ficaram chocados com a tragédia dos três tubarões de Hunstanton", completou.

Os animais eram da espécie tubarão-de-ponta, típicos de águas tropicais e mares quentes, comuns em recifes de corais no Pacífico. A Sea Life, empresa responsável pelo aquário possui centros na Grã-Bretanha e na Irlanda.

Da Folha de São Paulo

 
  Postado às 13h17
 
|
 
  23/04/2007
  África terá 65 milhões de exilados ambientais
 

Os efeitos do aquecimento global e da desertificação no mundo trarão grandes conseqüências à humanidade e ao meio ambiente. Segundo Sherif Rahmani, ministro argelino do Desenvolvimento, só na África serão cerca de 65 milhões de refugiados até 2025.

O anúncio foi feito durante uma conferência na capital Argel que reuniu 20 países africanos. "Até 2025, 65 milhões de refugiados africanos baterão às portas do Ocidente, empurrados pela desertificação", disse Rahmani. O ministro disse que cerca de 2 bilhões de pessoas viverão em desertos em todo o planeta, 750 milhões delas somente na África.

OMS

Já a OMS (Organização Mundial de Saúde) alerta que as mudanças climáticas anunciadas por cientistas deverão elevar o crescimento de ocorrências de desnutrição e de doenças infecciosas e respiratórias.

O relatório informa que em 2005 cerca de 35.000 pessoas morreram só na Europa por causa do aumento do calor. O documento pode ser um comentário ao relatório divulgado pelo IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática).

Ferimentos provocados por fenômenos meteorológicos como tormentas, ondas de calor e inundações causarão muitas mortes queda na produção de alimentos e muitos refugiados.

Da Folha de São Paulo/France Press

 
  Postado às 12h58
 
|
 
  18/04/2007
  Mostra da trituração da capoeira reuniu agricultores e técnicos no Pacuí
 

O agricultor Benedito Cordeiro da Silva, 60 anos, conhecido por todos da região do Pacuí como "Bebé", sempre fica animado em tempo de plantação. A novidade é que desta vez ele prepara manivas para plantar em uma capoeira que, em vez de ter sido queimada, foi triturada para uso da agricultura.

Na manhã da última terça-feira (10/4), Benedito era uma das quase 200 pessoas que ouviam os pesquisadores Marcelino Guedes e Raimundo Pinheiro, da Embrapa Amapá, explicarem os benefícios desta tecnologia criada para o agricultor trocar o hábito da queima da capoeira pela trituração.

Divulgação/Embrapa
Agricultores observam processo

O "Dia de Campo Tipitamba - plantio direto na capoeira triturada sem uso do fogo", aconteceu na Escola Família Agrícola do Pacuí, no Distrito de São Joaquim do Pacuí, município de Macapá, promovido pela Embrapa Amapá e pelo Instituto de Extensão Rural do Amapá (Rurap). O chefe geral da Embrapa Amapá, Newton Lucena, ressaltou que a troca da queima pela trituração da capoeira é um dos desafios na agricultura familiar praticada na Amazônia. "É muito importante esta parceria com o Rurap e com a Escola Família do Pacuí. Todo o conhecimento da Embrapa é compartilhado com nossos parceiros e também com vocês (agricultores), para que tenhamos um desenvolvimento sustentável na região e no País".

Além das explanações e debates, houve uma demonstração prática do Triturador AHWI FM 600, uma máquina de fabricação alemã (trator e implemento) adquirida pela Embrapa Amazônia Oriental (Belém-PA) que corta e tritura a capoeira. Nem a forte chuva abateu o interesse dos agricultores e agricultoras, jovens alunos da Escola Família, professores e técnicos de extensão rural, que se deslocaram até à área de manobras do Tritucap.

Divulgação/Embrapa
Marcelino Guedes apresenta as técnicas

O Secretário Estadual de Desenvolvimento Rural, Ribamar Quintas, também esteve no Dia de Campo. "Estou impressionado com a praticidade da tecnologia, a importância da incorporação na matéria orgânica, que é muito rico nas capoeiras e terminam sendo desperdiçadas pelo fogo". Para João Banha, secretário de Agricultura do Município de Macapá, o Dia de Campo abordando o Tipitamba tem o mérito, entre outros benefícios, de reunir gestores que têm como contribuir para que a tecnologia se torne uma realidade em todo o Estado. "A Embrapa hoje é nosso parceiro primordial, e os seus conhecimentos precisam chegar na ponta, ou seja, no pequeno produtor", finalizou Banha.

A participação efetiva do agricultor no plano de uso do Tritucap, desde a fase de elaboração, foi defendida pelo diretor-presidente do Rurap, Jaezer de Lima Dantas. Ele sugeriu ainda que a articulação no Amapá, para adoção da tecnologia, passe por uma articulação com o Consórcio de Segurança Alimentar e Desenvolvimento local (Consad), vinculado ao Ministério de Desenvolvimento Social.

Depois da escolha das áreas para testes da tecnologia do Plantio Direto na Capoeira (Tipitamba), da palestra e da demonstração do equipamento de trituração, na próxima semana será feita a plantação das sementes de feijão e milho, e das manivas de mandioca. O objetivo é demonstrar aos produtores e técnicos que é possível praticar agricultura sem o uso do fogo, com a vantagem de obter melhor produtividade.

Divulgação/Embrapa
Agricultores aprendem sobre a trituração da capoeira

Numa próxima etapa, haverá visitas comparativas aos plantios de milho, feijão e mandioca, sendo um preparado a partir do método da trituração da capoeira e outro com o uso do fogo. O plantio será feito em parcelas de 3 x 5 metros, em cada um dos três sistemas de preparo de área testados: triturado adubado, triturado não adubado e queimado. Também fazem parte dos testes a pesagem do produto colhido e comparação da produtividade obtida em cada sistema citado.

Dulcivânia Freitas
Embrapa Amapá

 
  Postado às 16h55
 
|
 
  06/04/2007
  Quatro dias para Chico Mendes
 

Chega ao fim a epopéia acreana da TV Globo. A minissérie que poderia ter sido chamada de “Amazônia, de Galvez a Risoleta”, [o título original era “Amazônia, de Galvez a Chico Mendes”], dada a importância que a personagem interpretada por Júlia Lemmertz recebeu, teve seu último capítulo exibido nesta sexta-feira.

A autora da minissérie, Glória Perez, perdeu a grande oportunidade de popularizar seu estado e seu mais sublime personagem, Chico Mendes. Foram mais de três meses de exibição e apenas quatro capítulos, o que a autora chamou de terceira fase, dedicados à história e a vida de Chico Mendes, uma das personalidades mais importantes do Acre.

Quem acompanhou a superprodução da Globo, foi valente como muitos dos seus personagem, ao resistir bravamente a ladainha de Coronel Augusto, personagem interpretado pelo ator Humberto Martins, e companhia [na segunda fase da minissérie], que durou semanas.

Reprodução
Site da minissérie "Amazônia"

Glória Perez, apesar de seu talento, mais que reconhecido, parece ter errada na mão, literalmente. A autora, que também é acreana, optou por mostrar a vida e a luta de Chico Mendes, interpretado por Cássio Gabus Mendes, apenas na última semana. Embora toda a história da minissérie tenha sido baseada na vida dos seringueiros, seu mais ilustre representante teve pouca visibilidade, personagens fictícios e romances foram os principais destaques durante as duas primeiras fases da minissérie, onde os atores e atrizes sumiam com a mesma velocidade que estão sumindo com a floresta.

No blog da autora, ela descreve sua intenção com a produção “A proposta foi contar os três momentos mais importantes da saga acreana. Galvez, o momento dos aventureiros, Plácido de Castro, o momento heróico, Chico Mendes o trágico. E aí está.” Pelo menos aqui, Perez acertou em cheio: o fim trágico, de Chico Mendes e de sua novela.

Conselho Nacional dos Seringueiros
Chico Mendes coleta látex em seringueira no Acre

Em uma época onde o aquecimento global e o desmatamento da Amazônia invadem os noticiários do Brasil e do mundo, a autora parece estar longe de sua terra natal e da realidade dos fatos atuais. A escritora também parece ter sido seduzida pelo galanteador Galvez, e no final seguiu os destaques da mídia, na época em que a luta dos seringueiros e Chico Mendes ficou conhecida em todo o mundo, muito pouco ou quase nada.

Saiba mais sobre Chico Mendes.

 
  Postado às 23h49
 
|
 
  03/04/2007
  Alternativa: no lugar da queima a trituração da capoeira
 

Embrapa demonstra uso da tecnologia que substitui a queima pela trituração da capoeira

A Embrapa Amapá, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Estado do Amapá (Rurap) estão preparando 10 áreas agrícolas no Estado do Amapá, para demonstrar uma técnica que orienta o produtor a trocar o uso do fogo no preparo de área para agricultura pela trituração e incorporação da capoeira no solo.

A tecnologia faz parte do projeto Tipitamba, coordenado pela Embrapa Amazônia Oriental (Belém-PA) e adaptado para os demais Estados da região Norte. Para viabilizar a demonstração foi transportado de Belém até o município de Cutias do Araguary, no sudoeste do Amapá, o equipamento de 12 toneladas chamado de Tritucap, um trator adaptado que corta e tritura a vegetação, eliminando totalmente a prática da queima da capoeira. A primeira área agrícola de demonstração será instalada na comunidade Sagrado Coração de Maria, em Cutias.

Divulgação

A atividade vai culminar com a realização do Dia de Campo "Tipitamba - plantio direto na capoeira triturada sem uso do fogo", na terça-feira (10), a partir das 9 horas, na Escola Família Agrícola do Pacuí, Distrito de São João Joaquim do Pacuí, município de Macapá. No local, os agricultores, autoridades, estudantes das escolas famílias, técnicos de extensão rural e demais interessados terão um contato direto com a tecnologia, que consiste em eliminar o uso do fogo no preparo da área para agricultura e ainda tem a vantagem de boas perspectivas de produtividade. O acesso e uso desta tecnologia pelos agricultores poderá ser viabilizado por meio de programas agrícolas específicos formulados pelo Governo do Estado e Prefeitura de Macapá, que já demonstraram
interesse em aplicar a proposta do Tipitamba no Amapá.

O Dia de Campo em São Joaquim do Pacuí terá início com a operação do trator triturando a capoeira de 5 a 6 metros de altura. "Em seguida faremos a quantificação da biomassa que tem na capoeira, que é importante porque dependendo se tem mais ou menos biomassa, vai ter um potencial de nutrientes maior ou menor na cobertura do solo", explicou o pesquisador Marcelino Guedes.

Na parte teórica, ele vai enfatizar os efeitos comparativos da queima, que é o sistema tradicional usado pelo agricultor, e da trituração da capoeira sobre a fertilidade, física e conservação do solo, enquanto o pesquisador da Embrapa Amapá, Raimundo Pinheiro, falará sobre a importância da tecnologia do Tipitamba para a umidade do solo. Guedes acrescentou que será mostrada as vantagens de usar o Tritucap, comparando com o sistema tradicional, que é de corte e queima, ou seja, a agricultura itinerante.

Esta é a segunda vez que a Embrapa promove a demonstração do Tipitamba no Amapá. Em agosto do ano passado, foi realizado um Dia de Campo sobre esta tecnologia em áreas preparadas numa localidade do município de Laranjal do Jari, através do projeto financiado pela Jari Celulose, que decidiu testar o equipamento nas áreas da empresa. Na época, a Embrapa Amapá preparou três áreas que são acompanhadas desde 2004. "Os resultados estão sendo tabulados para divulgação, mas a princípio podemos dizer que o uso desta tecnologia aumentou a produtividade do milho naquela região", afirmou Guedes.

O resultado foi tão promissor que o milho foi colhido em agosto, em pleno mês de entressafra desta cultura. O pesquisador avalia que, embora tenha sido feito um plantio tardio (abril), o fato de usarem a trituração de capoeira contribuiu para a colheita acima de duas toneladas. No Amapá, o projeto Tipitamba é financiado pelo Banco da Amazônia (Basa) e neste Dia de Campo a Embrapa Amapá conta com apoio do Governo do Estado, através das Secretaria de Estado de esenvolvimento Rural e Secretaria de Estado de Transportes, e da Escola Família Agrícola do Pacuí (Efap).

Dulcivânia Freitas
Embrapa Amapá

 
  Postado às 15h20
 
|