São Paulo, SP – Brasil
 
  +Blog da Pick-upau
   
  28/06/2008
  Índios kadiweu querem resgatar o cavalo Pantaneiro
 

Índios da tribo kadiweu receberam neste fim de semana (dias 7 e 8 de junho) representantes do Ministério da Agricultura e da Embrapa Pantanal na aldeia Alves de Barros, no município de Porto Murtinho (MS). Os visitantes acompanharam uma festividade indígena e receberam um pedido formal dos índios: eles querem ajuda para resgatar a criação do cavalo Pantaneiro.

Segundo as pesquisadoras Sandra Santos e Raquel Soares Juliano, da Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, os cavalos existentes nas seis aldeias da tribo foram descaracterizados com o passar do tempo.

“Eles utilizam cavalos como meio de transporte, manejo do gado, para caçar e em corridas”, disse Sandra, que desenvolve pesquisas sobre características de adaptabilidade de cavalos Pantaneiros.

Ela afirmou que a Embrapa Pantanal deve ser uma das parceiras em um projeto a ser liderado pelo ministério, com a participação da Funai (Fundação Nacional do Índio), do Iagro (Agência Estadual de Inspeção Sanitária Animal e Vegetal), entre outras Instituições. O objetivo é a reintrodução da raça na comunidade.

Sandra afirmou também que os índios pediram apoio para diversificar a produção – querem desenvolver outras criações, além da pecuária. “Eles são muito preocupados com a sustentabilidade.”

A área dos kadiweu em Porto Murtinho chega a 538 mil hectares, onde vivem cerca de 1.500 pessoas. Eles eram conhecidos como índios ‘guaicurus’ ou ‘índios cavaleiros’, devido à habilidade na montaria e ao vasto rebanho eqüino.

Também participaram da visita Helinton Rocha, diretor de Programas da SDC (Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo) e Celso Martins, chefe do Serviço de Política e Desenvolvimento Agropecuário da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Mato Grosso do Sul, ambos do Ministério da Agricultura. Da Embrapa Pantanal também participou o assistente Hidelberto Petzold.

Divulgação
Índios kadiweu montam em cavalos na aldeia Alves de Barros
 
Reunião entre índios e representantes do Mapa e da Embrapa

Ana Maio
Embrapa Pantanal

 
  Postado às 21h30
 
|
 
  28/06/2008
  Blog da lula
 

Neozelandeses criam blog do descongelamento de lula gigante. Museu da Nova Zelândia Te Papa Tongarewa publicou fotos e áudio do processo na web.

Pesquisadores mostram todos os detalhes do processo de estudo da lula gigante. Veja mais: http://blog.tepapa.govt.nz/category/colossal-squid

Divulgação
Um dos pesquisadores examina o cadáver do supermolusco
 
Infelizmente, a maioria dos tentáculos do bicho foi perdida

Do G1

 
  Postado às 21h19
 
|
 
  28/06/2008
  CD educativo valoriza fauna do Pantanal brasileiro
 

A Embrapa Pantanal e a Conservação Internacional (CI) estão lançando o CD “Nossos Bichos” – Mamíferos do Pantanal, elaborado pelo pesquisador Guilherme Mourão e sua orientada Ísis Medri. Dois lançamentos foram programados: um em Campo Grande, no dia 4 de junho, e outro em Corumbá, no dia 10.

O material estará disponível para download no site www.cpap.embrapa.br a partir das 18h desta quarta-feira, dia 4. Basta o internauta acessar o link CD Nossos Bichos, no site da Embrapa Pantanal, e preencher os dados solicitados. Após este preenchimento, o internauta receberá em seu email o link para download.

Em Corumbá, Guilherme fará uma demonstração do CD e prepara a distribuição de um exemplar para cada escola presente no encontro mensal com todos os professores e diretores de escolas municipais.

Em Campo Grande o lançamento do CD foi organizado pela CI e será na Lalai Doces, às 18h30, junto com outras duas publicações da Conservação Internacional: o livro Fazenda Rio Negro: Tradição e Conservação no Pantanal Mato-Grossense e a revista Biô.

Segundo Guilherme, o CD foi concebido a partir de palestra interativa que o pesquisador da Embrapa Pantanal preparou para um fórum em um colégio de Corumbá. O material foi adaptado e se transformou em dois jogos educativos para crianças do ensino fundamental. Pelo CD, crianças aprendem muito sobre a fauna do Pantanal: os nomes dos bichos, o que comem, seus hábitos, pegadas e sons.

“É preciso conhecer para conservar. A educação ambiental é fundamental para que as crianças aprendam desde cedo sobre a importância da conservação da biodiversidade”, diz o pesquisador da Embrapa-Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O CD contém ainda um arquivo com informações adicionais de cada animal citado com o objetivo de apoiar os professores na sala de aula, além de uma bibliografia adicional para aquele que desejar se aprofundar no conteúdo.

“O material oferece às crianças a possibilidade de aprender brincando sobre biologia e conservação de espécies”, diz Mariza Silva, especialista em articulação ambiental da CI-Brasil e coordenadora geral do projeto do CD.

Reprodução/Walfrido Tomás
Tamanduá-bandeira, um dos mamíferos do Pantanal
 
Fêmea de veado campeiro, uma das espécies pantaneiras

Ana Maio
Embrapa Pantanal

 
  Postado às 20h55
 
|
 
  28/06/2008
  Biólogos da Nicarágua descobrem nova espécie de salamandra
 

Uma nova espécie de salamandra que vive no vulcão Maderas, na ilha de Ometepe, situada no Grande Lago da Nicarágua (sul), acaba de ser descoberta, dizem biólogos nicaragüenses. "Podemos considerar a partir de agora que estamos diante da presença de uma nova espécie de grande potencial endêmico para a ilha de Ometepe", declarou Silvia Robleto, da equipe de pesquisa, ao jornal "Nuevo Diario".

A descoberta trata-se de “um anfíbio com cauda e patas achatadas, em forma de lagartixa, do gênero Bolitoglossa”. O estudo teve a supervisão do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais (Unies), em coordenação com a Universidade Autônoma da Nicarágua (Unan). Os dados da descoberta foram encaminhados ao departamento Herpetologia do Museu de História Nacional Senckenberg, em Frankfurt, na Alemanha, especializado no estudo de répteis e anfíbios.

Divulgação
Salamandra do gênero Bolitoglossa, espécie encontrada no vulcão Maderas, na Nicarágua.

Da France Presse/Folha de São Paulo

 
  Postado às 20h46
 
|
 
  28/06/2008
  Aves atacam moradores para defender território nos EUA
 

Moradores de Chicago, nos Estados Unidos, têm vivido nos últimos tempos uma espécie de ‘remake’ de “Os Pássaros”, filme de 1963, dirigido por Alfred Hitchcock apesar dos especialistas terem alertado os moradores sobre os ataques.

Com um comportamento extremamente territorial, pássaros-pretos-de-asa-vermelha, também conhecidos como tordos-sargentos, não têm distinção de seus alvos, pedestres ou ciclistas, todos são atingidos pelas aves. Uma das vítimas foi a executiva Holly Grosso. Ela descreveu a experiência como "bizarra".

Segundo o ornitólogo Doug Stotz, do museu Field, os ataques ocorrem com mais freqüência em parques e colônias de férias, próximos a reservatórios e do lago Michigan.

Reprodução
Fêmeas têm plumagem rajada, padrão muito diferente da apresentada nos machos
 
Tordo-sargento ou pássaro-preto-da-asa-vermelha (Agelaius phoeniceus) macho

Da Associated Press/Folha Online

 
  Postado às 20h39
 
|
 
  28/06/2008
  Os dez animais mais mortíferos do planeta
 

Nem leão, nem tubarão-branco o campeão da lista, segundo site "LiveScience", é o mosquito. O 'ranking da morte' traz animais óbvios no quesito ‘mortíferos’ e curiosidades, como a vespa-do-mar australiana. De acordo com a lista, sapos, águas-vivas e elefantes são animais com os quais temos que tomar bastante cuidado.

A naja, apesar de não ter o veneno mais mortal, é a campeã de mortes todos os anos. Já a água-viva, conhecida na Austrália vespa-do-mar (Chironex fleckeri), possui em cada tentáculo, veneno suficiente para matar 60 pessoas, é seis vezes mais potente que o veneno do último colocado, o sapo, conhecido como flecha-venenosa (entre outros nomes comuns à família Dendrobatidae, especialmente o Phyllobates terribilis).

Já outros animais da lista vencem a batalha pela força. É o caso do tubarão-branco, do leão e do urso polar.

Veja a lista:

1 - Mosquito
2 - Naja
3 - Vespa-do-mar australiana
4 - Tubarão-branco
5 - Leão
6 - Crocodilo de água salgada da Austrália
7 - Elefante
8 - Urso Polar
9 - Búfalo
10 - Sapo venenoso

Divulgação
Phyllobates terribilis, sapo venenoso dourado encontrado na Colômbia, ocupa a décima posição entre os mais mortíferos

Da Folha de São Paulo/AP

 
  Postado às 20h27
 
|
 
  28/06/2008
  Peixe venenoso aparece em águas cubanas
 

Uma espécie venenosa dos oceanos Índico e Pacífico, o peixe-leão, voltou a ser encontrado em águas cubanas, informou a imprensa oficial de Cuba. Muito apreciado por seu exotismo, o peixe que mede cerca de 40 cm, da cauda à cabeça e tem o corpo coberto por espinhos repletos de veneno, é bastante procurado por donos de aquários.

"Por ser um fenômeno novo em Cuba, não podemos assegurar que se transforme em um perigo iminente para as pessoas", disseram ao jornal "Juventud Rebelde" os especialistas do Aquário Nacional de Cuba Armando Olaechea e Raúl Igor Corada.

O peixe-leão foi encontrado pela primeira vez em águas orientais de Santiago de Cuba, em junho de 2007, depois foi visto no litoral de Caibarién, no centro do país e nas províncias de Havana, Matanzas e Ciego de Ávila.

"Ainda não conhecemos exatamente o que pode ocorrer com o peixe-leão. Talvez não se adapte completamente ao Caribe --o que duvidamos-- ou talvez desloque outras espécies", afirmou o ictiólogo cubano Alain Durán, citado pelo jornal.

Segundo o jornal "Juventud Rebelde" declara que sua presença no litoral local "não deve alarmar ninguém, porque não é realmente um fato generalizado" e ressalta que "geralmente, eles são encontrados entre os recifes e não em praias limpas".

Reprodução
Peixe-leão, espécie exótica que possui espinhos venenosos em seu corpo, voltou a ser encontrado em águas cubanas

Da Efe/Folha de São Paulo

 
  Postado às 20h18
 
|
 
  28/06/2008
  Cientistas tentam salvar pingüins que engoliram petróleo
 

Pesquisadores da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em Santa Catarina, tentam salvar a vida de seis pingüins-de-magalhães (Spheniscus magellanicus) que chegaram nas praias do estado.

Os animais foram encontrados com o corpo coberto de óleo cru (petróleo) e com vestígios de ingestão do combustível. As aves estão sendo tratadas no Laboratório de Reabilitação de Aves e Mamíferos Marinhos da Univali.

Os pingüins vieram da Patagônia e chegaram em Santa Catarina trazidos por correntes marítimas, dizem os pesquisadores, que pretendem devolver os animais a natureza o mais rápido possível.

Divulgação
Animais engoliram óleo cru e estão debilitados

Do G1

 
  Postado às 20h08
 
|
 
  09/06/2008
  Pick-upau celebra Ano Internacional do Planeta Terra em evento de 14 dias
 
 
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Oficina de pintura diverte crianças em evento do Pick-upau, no Shopping SP Market.
 
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Ativista do Pick-upau faz pintura de face em crianças durante evento.
   
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Informação ambiental na folheteria.
 
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Pequenos ativistas: Crianças brincam com jogos ambientais e ganham bonés do Pick-upau.
   
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Jogos e brincadeiras ambientais divertem pais, filhos e avós.
   
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Exposição "Zona Selvagem" encanta paulistanos. Ativista do Pick-upau fala sobre Unidades de Conservação no Estado de São Paulo.
   
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Visitantes do Lounge Meio Ambiente participam de cyberações do Pick-upau contra o desmatamento na Amazônia e a construção de Angra 3.
   
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Documentários e exposição de banners sobre fauna e flora são destaque no espaço meio ambiente do Pick-upau, no Shopping SP Market.
   
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Crianças aprendem a separar o lixo. Campanha contra o tráfico de animais impressiona visitantes do estande.
   
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Oficina de segurança e eficiência energética da AES Eletropaulo mobiliza público no espaço meio ambiente do Pick-upau no Shopping SP Market.
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Projeto Outono - Folhas do Conhecimento, do Pick-upau realiza exposição literária de meio ambiente.
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Visitantes aproveitam para filiar-se ao Pick-upau. Informações sobre biomas brasileiros.
   
Pick-upau/Wilson Mahana/J. Andrade
Público comparece ao Lounge Meio Ambiente.

Saiba mais sobre a Semana do Meio Ambiente 2008 do Pick-upau.

 
  Postado às 22h33
 
|