São Paulo, SP – Brasil
 
  +Blog da Pick-upau
   
  23/11/2008
  Parque permite que visitantes ‘nadem’ com crocodilos
 

O Parque Crocosaurus Cove tem uma nova atração para seus visitantes, apelidada de “Jaula da Morte”, a caixa de acrílico com cerca de quatro centímetros de espessura e 2,8 metros de altura protege o turista dos gigantescos crocodilos (cinco machos com 4,6 metros a 5,5 metros e uma fêmea de 2,8 metros).

Apesar dos arranhões feitos pelos animais no acrílico, o diretor afirma que a atração é segura. "As barreiras entre os mergulhadores e os crocodilos são muito fortes.", diz Michael Scott.

Scott considera Darwin a "capital dos crocodilos". "Apenas na nossa fazenda temos 52 mil crocodilos. Nós também coletamos cerca de 30 mil ovos da natureza todo ano para serem cultivados em várias fazendas do nordeste australiano", completa.

A atração turística gerou críticas de ambientalistas. Para o ativista de direito dos animais, Patty Mark, a atração "é repugnante".

"Nós deveríamos respeitar esses animais, principalmente animais inteligentes como os crocodilos. Eles pertencem à natureza, não ao nosso entretenimento.", disse Patty Mark.

A Austrália possui cerca de 150 mil crocodilos, metade da população mundial e apesar da fama de animais assassinos e perigoso, no máximo dois casos de ataques são registrados por ano no país.

Divulgação

Da Folha de São Paulo
 
  Postado às 20h03
 
|
  23/11/2008
  Operação ‘Grilhões’ apreende 1.441 aves silvestres
 

Um balanço da Operação Grilhões do Ibama apresentado nesta semana, revela que 1.441 aves silvestres foram apreendidas, somente no estado de Goiás, em novembro.

Treze pessoas foram presas e cerca de R$ 780 mil em multas foram aplicadas. O instituto precisou montar uma imensa estrutura para abrigar todas as aves.

Divulgação/Ibama-GO
Macropus eugenii é um pequeno animal da família dos cangurus, popularmente conhecido como walabi na Austrália

Do Ibama/Globo Amazônia
 
  Postado às 19h55
 
|
  23/11/2008
  Canguru tem origem chinesa, diz estudo
 

O canguru é da China, e mais, têm genoma similar aos dos seres humanos. É o que afirma um grupo de cientistas australianos, ao apresentar, em Melbourne, um mapa minucioso do genoma desses marsupiais.

"O que fizemos foi um mapa bastante detalhado do genoma, que é como o mapa de uma rua com 20 mil casas", disse a diretora de pesquisa do KanGO, Jenny Graves.

Segundo os pesquisadores, os cangurus evoluíram na China e migraram para a Austrália e Antártida. Esses marsupiais possuem 20 mil genes, muitos dos quais são iguais aos seres humanos, desta forma "sua decodificação permitirá saber quem eram os seres humanos há 150 milhões de anos", segundo Graves.

"Há algumas diferenças. Nós temos um pouco mais disto, um pouco menos daquilo, mas são os mesmos genes e praticamente na mesma ordem", diz a diretora do KanGo.

Existem 26 espécies de cangurus na Austrália e 200 marsupiais, no entanto o estudo foi realizado apenas com o Macropus eugenii. O estudo foi realizado no Centro de Excelência para a Genética dos Cangurus (KanGo) do Conselho de Pesquisa Australiano (ARC, em inglês).

Reprodução
Macropus eugenii é um pequeno animal da família dos cangurus, popularmente conhecido como walabi na Austrália

Da EFE/Folha de São Paulo
 
  Postado às 19h42
 
|
  23/11/2008
  Anavilhanas se transforma em parque nacional
 

O arquipélago de Anavilhanas, composto por cerca de 400 ilhas, localizado a 40 quilômetros de Manaus (AM) é o mais novo parque nacional do país. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou a lei que transforma a unidade de conservação de estação ecológica para parque nacional, que permitirá um desenvolvimento maior para o eco turismo.

“Essa região é rota de barcos que saem de Manaus. Acreditamos que tenha uma demanda turística reprimida bastante grande”, disse Júlio Gonchoroski, coordenador de visitação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão federal responsável pela unidade. Segundo Gonchoroski, o turismo será facilitado, mas acredita que isso não afetará a preservação da região. “Pretendemos permitir principalmente atividades que não exijam a abertura de trilhas ou o uso intensivo das praias, como passeios náuticos pelas ilhas”.

ICMBio/Divulgação
 

Do G1/MMA
 
  Postado às 19h30
 
|
  15/11/2008
  Voluntários do Pick-upau assistem espetáculo de graça
 

Voluntários, filiados e convidados especiais do Pick-upau ganharam convites para o espetáculo “Fuerzabruta Brasil” e foram até o Parque Villa-Lobos conferir a atração de graça. Os internautas receberam o e-mail promocional do evento e responderam qual ONG “Faz você entender o Meio Ambiente por inteiro”. A promoção foi uma parceria com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente de São Paulo.

Veja mais!

 
Pick-upau/Emerson Maia
 
Espetáculo "Fuerzabruta Brasil" no Parque Villa-Lobos, em São Paulo.

Da Redação
 
  Postado às 18h28
 
|
  15/11/2008
  Pingüim troca família por bicho de pelúcia
 

Pingu, um pingüim do zoológico de Torquay, na Inglaterra, trocou sua família por bicho de pelúcia, da mesma espécie, é claro. Seu novo irmão custou 4 libras (cerca de R$ 13,40) na loja de souvenir do zôo.

Motivo: seu irmão natural roubava sua comida, deixando Pingu com fome e fazendo com que perdesse peso e ficasse fraco. Solitário e com apenas três semanas de vida, ganhou o companheiro de pelúcia de quem não se separa, diz o jornal “Daily Mail”. Família...

Reprodução
Pingu não se separa do pingüim de pelúcia, comprado
na loja de souvenir do zôo.

Do G1/Daily Mail
 
  Postado às 18h23
 
|
  15/11/2008
  King Kong baby!
 

Os tratadores do zoológico de San Diego, nos Estados Unidos, estão com as atenções voltadas para o filhote de gorila que promete ser a nova atração do parque. O pequeno morador, que completou dois meses, ainda não tem nome.

Divulgação/Zôo de San Diego

Zôo de San Diego
 
  Postado às 18h18
 
|
  15/11/2008
  Procurador emite parecer contra importação de pneus
 

A importação de pneus usados para serem reformados ou reciclados no país traz degradação ao meio ambiente e causa danos à saúde pública. Isso é o diz o parecer do procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, contrário a decisões judiciais que permitiam a importação desses resíduos.

O caso foi parar no STF (Supremo Tribunal Federal), depois que o executivo proibiu a importação de pneus usados, segundo o governo federal, esses resíduos favorecem a criação de insetos transmissores da dengue e a queima dos pneus libera compostos químicos com alto nível tóxico.

Já os empresários da indústria de pneus remodelados defendem a importação. Segundo eles, o material que vem da Europa chega ao país em boas condições e podem ser reformados e comercializados no Brasil. Porém, ambientalistas discordam e dizem que não há controle desse material e que muitas vezes acabam em aterros sanitários. Para o procurador-geral, o comércio de pneus reformados não é ilegal. "Agora, querer executá-la a qualquer custo, ainda mais quando esse custo é assumido por outros, torna-se abusivo".

"A importação constitui-se, já de saída, na transferência de material absolutamente inutilizado proveniente dos países exportadores para o seu armazenamento em terras brasileiras", diz Souza, que terá o seu parecer analisado pela ministra Carmen Lúcia, relatora da ação no STF.

Divulgação

Da Folha de São Paulo/Agência Brasil
 
  Postado às 18h12
 
|
  15/11/2008
  Incêndio destrói metade da Chapada Diamantina
 

Um incêndio que atinge o Parque Nacional da Chapada Diamantina há um mês já destruiu cerca de 70 mil hectares, quase metade de toda unidade de conservação, segundo informações do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis).

Cerca de 300 pessoas, entre voluntários (maioria), brigadistas e bombeiros tentam conter o fogo na região. "Desta vez, a situação está preocupante por causa das condições climáticas", analisa um funcionário do Ibama. "Além do tempo, a polícia militar investiga os incêndios criminosos na região", completa.

Saiba mais no Panorama Ambiental

Divulgação

Agência Brasil/Folha de São Paulo
 
  Postado às 18h06
 
|
  15/11/2008
  Ibama apreende peixes ornamentais em Belém
 

Fiscais do Ibama apreenderam 630 peixes ornamentais no Aeroporto Internacional de Belém. O infrator foi multado em R$ 1.560,00 e todos os animais foram encaminhados ao Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Norte (Cepnor).

Segundo o Ibama, os animais pertenciam a uma transportadora de peixes de Manaus, no Amazonas, e 43 deles são de espécie que tem comércio proibido.

Divulgação/Ibama
Ibama apreende peixes ornamentais no aeroporto de Belém

Do G1/Ibama
 
  Postado às 17h58
 
|
  15/11/2008
  Cientistas tentam entender medo de golfinhos nos EUA
 

Pesquisadores americanos tentam descobrir, no litoral de Nova Jersey, o que os golfinhos têm ouvido e porque estão com medo. Os cientistas colocaram microfones subaquáticos em um rio da região para gravar sons que podem estar assustando os animais, impedindo-os de voltarem ao mar.

O motivo pode ser a obra na ponte da rodovia 36 que podem estar atrapalhando ou amedrontando os golfinhos que passaram pelo local para chegar ao rio Shrewsbury, em junho, e que deveriam retornar ao mar pelo mesmo caminho, passando pela baía Sandy Hook.

Ambientalistas tentam há meses levá-los ao oceano, temendo a morte dos animais. Até agora foi confirmada a morte de dos animais do grupo.

Divulgação
Os Golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) são os mais comuns e vivem em grupos com 15 indivíduos.

Da Associated Press/Folha de São Paulo
 
  Postado às 17h53
 
|
  15/11/2008
  Manejo e conservação ambiental comunitária
 

Embrapa Pantanal conhece experiência de manejo e conservação ambiental comunitária - Pesquisadores visitam reservas de desenvolvimento sustentável de Mamirauá e Amanã, no Amazonas, e dizem que modelos podem ser aproveitados no Pantanal.

Pesquisas aplicadas feitas pelo Instituto Mamirauá, no Amazonas, foram apresentadas a três pesquisadores da Embrapa Pantanal que visitaram a maior reserva extrativista do país na primeira semana de novembro. A sustentabilidade do local chamou a atenção dos cientistas do Mato Grosso do Sul, que pretendem aproveitar modelos de manejo, de organização social e de acordos de pesca para o Pantanal.

A visita à reserva foi sugerida pela diretora executiva da Embrapa Tatiana Deane de Abreu Sá durante a reunião do CAE (Comitê Assessor Externo) da Embrapa Pantanal em 2007.

O chefe de Pesquisa e Desenvolvimento, Thierry Ribeiro Tomich, os pesquisadores Agostinho Catella e Cristhiane Amâncio, e o jornalista Jean Fernandes, da ONG Ecoa, ficaram impressionados com o manejo sustentável da região. O grupo visitou a reserva Amanã, anexa à Mamirauá. A cidade mais próxima é Tefé (AM), onde fica a sede do instituto.

Mamirauá nasceu como uma ONG no início dos anos 1990, por iniciativa do professor Márcio Ayres, da Universidade Federal do Pará. Ele morreu em 2003. O governo federal se interessou pelo projeto, criou o instituto e formalizou um convênio com as duas reservas, que são estaduais. Este convênio foi firmado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia.

Thierry Tomich disse que a reserva amazônica é bastante distinta do Pantanal, o público é diferente, “mas existem muitos pontos de aderência”. “Eles têm uma história de atuação bem-sucedida, envolvendo acordos de pesca, aumento de renda para a comunidade e uso sustentável dos recursos naturais”, disse o chefe de pesquisa da Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Uma das diferenças mais marcantes entre as duas regiões está relacionada ao uso da terra. De acordo com Thierry, na reserva a terra é de uso da comunidade, não tem um dono. “No Pantanal, 96% da área são propriedades particulares.” Apesar disso, ações desenvolvidas em Mamirauá podem nortear atividades no Pantanal.

Pesca

É o caso, por exemplo, dos acordos de pesca, como conta o pesquisador Agostinho Catella. As decisões são co-participativas e os próprios pescadores atuam como vigilantes dos lagos e avaliam os estoques pesqueiros disponíveis, como no caso do gigante pirarucu, que é uma das espécies mais visadas e chega a alcançar mais de dois metros de comprimento.

“A população local e os pesquisadores do Instituto perceberam que alguns estoques estavam diminuindo. Para estabelecer o manejo participativo do pirarucu na reserva, os pescadores foram recrutados. No início dos anos 90 foi reunido um grupo de aproximadamente 40 pessoas”, disse Agostinho.

Junto com pesquisadores, eles se reuniram e determinaram as regras para a pesca, os períodos de defeso para algumas espécies e as cotas de captura. “Em função do sucesso do trabalho, a população de pirarucu aumentou e hoje mais de 600 pescadores da região participam do programa de manejo dessa espécie”, completa o pesquisador.

Para ter direito à pesca do pirarucu, o indivíduo precisa participar anualmente da vigilância dos lagos e da contagem do número de peixes adultos, o que é feito quando o pirarucu “bóia”, isto é, vem à superfície para respirar. O número de peixes que poderão ser capturados corresponde a uma porcentagem dos peixes adultos que foram contados no ano anterior. Os pesquisadores da Embrapa Pantanal tiveram a oportunidade de acompanhar uma pescaria de pirarucu.

Agostinho disse ainda que o desembarque de peixes é diário em Tefé e que o controle estatístico é feito de segunda a sábado pelo Instituto. “A forma coletiva como foi construído o acordo de pesca pode ser aplicada no Pantanal”.

Organização social

A pesquisadora Cristhiane Amâncio afirmou que existem cerca de 14 mil pessoas vivendo dentro da reserva, mas o uso é feito por aproximadamente 20 mil moradores – no entorno vivem quase 6 mil pessoas.

O grupo do Pantanal se reuniu com mulheres que fazem artesanato a partir da fibra extraída do caule do cauaçu, uma planta que cresce na várzea do rio Solimões. No início, elas enfrentaram resistência dentro das próprias famílias, mas hoje a atividade está entre as principais fontes de renda para essas mulheres.

“Elas reorganizaram a estrutura social das famílias e valorizaram o papel da mulher na economia local” disse Cristhiane. Com o tempo e muita organização, recuperaram técnicas para a confecção de cestos, esteiras e outros objetos e se aperfeiçoaram participando de feiras nacionais e internacionais. “É impressionante a auto-estima dessas mulheres”, disse Agostinho.

Cristhiane falou ainda que Mamirauá é uma referência histórica, não apenas para a pesquisa. “Eles sempre trabalharam com a visão do uso sustentável em função das pressões que sofriam ali. A conservação dos recursos naturais no Pantanal está muito distante da realidade das comunidades visitadas na Amazônia”, afirmou.

Segundo a pesquisadora, existe no Pantanal uma visão equivocada de que a propriedade privada é que vai propiciar a conservação. “Mas o conhecimento tradicional e o uso do ambiente por quem sempre ocupou aquele espaço deveriam ser respeitados”, disse Cristhiane.

A inclusão do homem no manejo sustentável é condição para a conservação ambiental, já que a fiscalização é insuficiente. “Se o Estado brasileiro considera a cultura pantaneira importante, ele precisa intervir, porque o conhecimento tradicional está se perdendo. O Estado precisa se posicionar”, afirmou a pesquisadora.

Ela contou ainda que quando a reserva de Mamirauá foi criada, um estudo mostrou que as 295 comunidades que vivem na região eram contrárias. Imaginavam que precisariam deixar de explorar o ambiente, o que não aconteceu. “Hoje há um consenso que os moradores não vivem mais sem a reserva.”

Agostinho Catella/Embrapa
Pescador com arpão procura pirarucu
Pirarucu pescado durante a visita dos pesquisadores

Ana Maio
Embrapa Pantanal
 
  Postado às 17h41
 
|
  09/11/2008
  Animais na guerra
 

Além das pessoas e do meio ambiente como um todo, animais também sofrem com as guerras que acontecem em várias partes do mundo. Foi o que aconteceu com esse filhote de chimpanzé que perdeu a mãe na guerra civil que acontece na República Democrática do Congo. O soldado que a carrega decidiu ficar com ele depois de matar sua mãe para alimentar a tropa, agora pretende vender o animal.

Reprodução

Agências internacionais
 
  Postado às 20h32
 
|
  09/11/2008
  Sagüis passam por cirurgia de esterilização
 

Sagüis de tufo preto e tufo branco passaram por cirurgias de esterilização no zoológico de Guarulhos, na Grande São Paulo. O procedimento que dura cerca de quatro horas foi realizado para evitar a superpopulação e os cruzamentos consangüíneos dos animais.

As cirurgias foram realizadas na clínica do zôo, por Luis Artur Giuffrida, diretor do hospital veterinário da UnG (Universidade de Guarulhos. Atualmente o zoológico tem 30 sagüis, animais que vivem cerca de dez anos e têm tempo de gestação de cinco meses com uma ninhada de um a três filhotes.

Divulgação
Para evitar a superpopulação e os cruzamentos consangüíneos, os sagüis do Zoológico de Guarulhos foram esterilizados

Da Folha e São Paulo
 
  Postado às 20h25
 
|
  09/11/2008
  ‘Monstro d’água’ pode ser extinto em 5 anos
 

O Axolotle (Ambystoma mexicanum) também conhecido como monstro d’água corre sério risco de desaparecer no prazo de cinco anos, dizem especialistas. Uma espécie de salamandra que vive no México, conseguiu sobreviver em uma área urbanizada na capital do país, nos canais poluídos do lago Xochimilco, por enquanto. O anfíbio está na lista vermelha da União pela Conservação da Natureza.

Além de ser vítima da drenagem e da sujeira de seu habitat, ainda enfrenta os peixes não-nativos que foram introduzidos nos canais e que se alimentam de seus filhotes.

"Se o monstro d'água desaparecer, não será uma grande perda apenas para a biodiversidade, mas também para a cultura mexicana", disse Luís Zambrano, biólogo da Universidade Autônoma do México, à agência Associated Press.

Divulgação
Axolotle (Ambystoma mexicanum), salamandra mexicana também conhecida como monstro d'água, corre risco de desaparecer do planeta.

Da Folha e São Paulo
 
  Postado às 20h17
 
|
  09/11/2008
  Notebook de bambu
 

A empresa de informática Asus apresentou um notebook da série bambu que estará no mercado brasileiro a partir de dezembro por R$ 6.999. Segundo a empresa de Taiwan, o produto “é verdadeiramente verde” desde sua concepção até sua ocasional reciclagem.

Disponíveis com tela 12,1 polegadas e peso de 1,57 kg no Brasil e tela 11,1 polegadas e 1,25 kg no mercado internacional, ambas possuem processador Intel Core 2 Duo. Segundo a Asus, o notebook possui uma bateria com tecnologia conhecida como "Super Hybrid Engine", que melhora o desempenho do sistema em até 23% e tem vida útil ente 35% e 70% superior às baterias convencionais.

Divulgação
Asus diz que por se tratar de uma peça de arte original, cada notebook é "único".

Da Folha e São Paulo
 
  Postado às 20h05
 
|
  02/11/2008
  Halloween para tigres
 

Os animais também comemoraram o Halloween no zoológico de San Diego, os tigres entraram no clima da tradicional festa americana do dia das bruxas. Os três filhotes da mamãe Mek ficaram curiosos para descobrir as guloseimas da abóbora-fantasma. Em vez de doces e balas os felinos ganharam carne moída... Delicia...

Divulgação/ Zoológico de San Diego

Zoológico de San Diego
 
  Postado às 21h02
 
|
  02/11/2008
  Lêmure vai para Alemanha
 

Os lêmures que são encontrados nas florestas do noroeste da ilha de Madagascar, na costa da África, estão da lista de animais ameaçados de extinção. Em cativeiro, tem a vida mais prolongada e o zoológico de Berlim, que ficou conhecido mundialmente pelo famoso urso polar Knut, recebeu a lêmure Uta, doada pelo zôo de Praga, na República Tcheca. Na Alemanha a nova lêmure fará companhia ao macho Solo, que perdeu sua companheira este ano.

Divulgação/Zôo de Berlim
 

Zoológico de Berlim
 
  Postado às 20h49
 
|
  02/11/2008
  Abelha só conta até quatro
 

As abelhas podem contar até quatro, é o que diz um cientista da Universidade de Queensland, na Austrália. Para chegar nessa conclusão o pesquisador colocou cinco marcadores dentro de um túnel e um deles com néctar. As abelhas entraram no túnel voaram até a marca com o néctar, e continuaram a fazer a mesma coisa após a retirada da substância.

"Percebemos que, se você as treina para ir à terceira marca, elas vão focar na terceira marca. O mesmo vale para a quarta marca", diz Mandyam Srinivasan. "Mas sua habilidade em contar parece ir apenas até aí. Elas não contam além de quatro."

"Quanto mais olhamos para essas criaturas que têm um cérebro do tamanho de uma semente de gergelim, mais impressionados ficamos. Elas realmente têm muitas capacidades que atribuímos apenas ao ser humano, tido como superior."

Reprodução
Abelhas têm capacidade de contar somente até quatro, indica estudo realizado na Universidade de Queensland, na Austrália

Da Folha de São Paulo/Reuters
 
  Postado às 20h40
 
|
  02/11/2008
  Aranha é flagrada com pássaro na teia
 

Imagem mostra uma grande aranha com um pássaro em sua teia. As fotos foram divulgadas pelo jornal "Daily Telegraph". A cena curiosa aconteceu em Queensland, na Austrália. O aracnídeo é conhecido como golden silk orb-weaver, diz Joel Shakespeare, do Australian Reptile Park. "Normalmente, elas pegam grandes insetos. É raro vê-las comendo pássaros", afirmou o especialista, citado pelo jornal. Segundo ele, a aranha provavelmente não comerá a ave inteira.

Reprodução

Da Folha de São Paulo/Daily Telegraph
 
  Postado às 20h32
 
|
  02/11/2008
  Elefante ganha bolo de aniversário
 

Morador do zoológico de Hanover, na Alemanha, o elefantinho Tarak, comemorou seus três anos de vida com um ‘delicioso’ bolo feito com arroz, cenoura e rabanete. O bolinho de 30 quilos foi suficiente para satisfazer o apetite de Tarak, que ainda bebê, pesa uma tonelada e tem 1,65m de altura.

Divulgação/Zoológico de Hanover

Zoológico de Hanover
 
  Postado às 20h22
 
|