São Paulo, SP – Brasil
 
  +Blog da Pick-upau
   
  22/03/2009
  Ursos do Sol de Bornéu são apresentados nos EUA
 

Pagi e Palu, os filhotes gêmeos de ursos do Sol de Bornéu foram apresentados pela primeira vez ao público do jardim zoológico de San Diego, nos Estados Unidos.

Nascidos em outubro do ano passado, os ursos estavam recebendo tratamento especial para ficarem fortes e saudáveis. Esta espécie é também conhecida como ‘ursos macacos’, por terem costume de ficar em árvores.

Divulgação/Zoo de San Diego
 
  Postado às 23h05
 
|
  22/03/2009
  Zoo de Sapporo apresenta ursos gêmeos
 

Nascidos em 9 de dezembro do ano passado, os ursos gêmeos agora são apresentados ao público, ao lado de sua mãe Rara, no jardim zoológico de Sapporo, no Japão.

Divulgação/Zoo de Sapporo
 
  Postado às 23h03
 
|
  15/03/2009
  Bebê gorila abandonado é batizado
 

O bebê gorila que havia sido rejeitado por sua mãe, no zoológico de San Francisco, nos Estados Unidos, acaba de ser batizado: Hasani, que no dialeto africano suaíli, significa belo.

Abandonado por sua mãe, Monifa, o bebê tem sido criado pelo pai, o gorila Jonesy, e pela tratadora Rachel Simpson.

Divulgação/Zoo de San Francisco
 
  Postado às 13h11
 
|
  15/03/2009
  Bebê rinoceronte se recupera em San Diego
 

Ramir, um filhote de rinoceronte indiano, que nasceu em 23 de dezembro no zoo de San Diego, quase morreu depois que sua mãe não lhe deu tratamento correto após dar à luz.

O ‘pequeno’ rinoceronte teve hipotermia e os tratadores resolveram fazer uma transfusão de plasma e aplicar antibióticos. Os veterinários passaram então a cuidar do bebê que nasceu com 68 quilos e agora pesa 158 quilos.

A espécie encontrada no Nepal e na Índia está e processo de extinção. Estima-se que 2,5 mil deles vivam em cativeiro

Divulgação/Zoo de San Diego
 
 
  Postado às 13h09
 
|
  15/03/2009
  Crise mundial chega ao zoo da Romênia
 

O zoológico da Romênia já sofre os primeiros efeitos da crise financeira mundial. A ursa Cocolina é um dos animais que sobraram no parque. Segundo a organização Vier Pfoten, que enviou três leões para um santuário na África do Sul, o zoo não tem mais condições de manter os animais.

Divulgação/Zoo da Romênia
 
  Postado às 13h07
 
|
  08/03/2009
  Cada bicho no seu galho
 

O curioso canguru-de-árvore (Matschie’s Tree Kangaroo), o único da espécie a habitar o zoo de Cingapura é uma grande atração no parque. Originário de Papua-Nova Guiné a espécie também está ameaçada de extinção.

Divulgação/Zoo de Cingapura
 
 
  Postado às 20h25
 
|
  08/03/2009
  Ibama e Polícia Federal apreendem objetos com borboletas mortas
 

O Ibama, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, e a Polícia Federal, realizaram uma blitz no centro da cidade de São Paulo e apreenderam cerca de 2 mil objetos decorados com borboletas, aranhas e escorpiões.

Segundo a Polícia Federal, cerca de 10 mil borboletas foram mortas para ‘decorar’ porta-jóias, chaveiros, quadros e porta-retratos. A operação também recolheu 107 escorpiões e três aranhas. Os proprietários dos estabelecimentos foram autuados e responderão pela prática de crime ambiental.

Divulgação

Do G1
 
  Postado às 20h25
 
|
  08/03/2009
  Girafa ganha brinde de visitante
 

O zoológico de Taronga, em Sydney, na Austrália, implantou um programa que possibilita os visitantes a alimentar algumas espécies. A idéia do zoo é fazer com que as pessoas possam saber como funciona os bastidores. A ideia parece que vai pegar...

Divulgação/Zoo de Taronga
 
  Postado às 20h23
 
|
  08/03/2009
  O que você não deve fazer...
 

Algo que deveria ser óbvio, ainda é um problema em muitos zoológicos do mundo. Alimentar os animais sem permissão e pior, jogar lixos nos recintos dos bichos.

No Jardim Zoológico Springer River, em Roswell, Novo México, uma família de lêmures (Louis, Hedley e Dorothy) fica curiosa com uma embalagem que foi parar dentro de seu recinto. Essa prática de jogar lixos nas jaulas pode causar até morte de um animal, fique ligado...

O Zoo de São Paulo tem um programa de educação ambiental voltado para esse assunto, que ensina alguns visitantes ‘porcalhões’ a se comportar dentro do parque. Saiba mais www.zoologico.sp.gov.br

Divulgação
 
  Postado às 20h21
 
|
  08/03/2009
  Macaco-prego abandonado em Belém ganha um lar
 

Um macaco-prego (Cebus apella) abandonado na cidade de Belém, no Pará, foi encaminhado para o zoológico Animal. O primata que foi encontrado acorrentado em uma área deserta foi resgatado por agentes do Ibama. Segundo o instituto, o animal apresentava sinais de maus-tratos.

Divulgação
Da Globo
 
  Postado às 20h17
 
|
  01/03/2009
  Cientistas registram 13 mil espécies nos oceanos gelados
 

Um censo da vida marinha realizada nas águas geladas da Antártida e do Ártico revela uma exuberância da biodiversidade. Os pesquisadores registraram 7,5 e 5,5 mil espécies respectivamente.

"Os livros de ciência dizem que há menos diversidade nos polos que nos trópicos, mas encontramos uma variedade espetacular de vida marinha nos oceanos Antártico e Ártico", diz Victoria Wadley, pesquisadora australiana, que participou do levantamento feito na Antártida.

A maior parte das formas de vida descobertas são invertebrados, animais simples, sem espinha vertebral. O Censo da Vida Marinha é patrocinado por governos, organizações privadas e pela ONU.

Reprodução/University of Alaska Fairbanks, Census of Marine Life, Russ Hopcroft

Globo/Associated Press
 
  Postado às 23h05
 
|
  01/03/2009
  Projeto irá trabalhar na conservação de recursos naturais
 

Corumbá – Mato Grosso do Sul - O Criança Esperança acaba de aprovar o projeto “Crianças das Águas – Pantanal: identidade e cidadania”, que terá a participação da Embrapa Pantanal como parceira. O projeto foi elaborado pela Ecoa–Ecologia e Ação, uma organização não-governamental que vem trabalhando desde 1994 com comunidades pantaneiras.

As ações com 230 crianças, adolescentes e jovens começam a ser desenvolvidas ainda neste mês, com investimentos previstos de R$ 100 mil do Criança Esperança e mais recursos humanos, apoio logístico, infra-estrutura e articulação política da organização e parceiros.

A Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, é uma das parceiras e vai coordenar o diagnóstico da situação atual na área de educação e saúde das quatro comunidades contempladas: Porto da Manga, Baía do Castelo, Paraguai Mirim e Barra do São Lourenço.

A pesquisadora Cristhiane Amâncio, que já iniciou esse diagnóstico para um projeto da Embrapa e do CNPq, também vai apoiar atividades de educação e do trabalho com recursos pesqueiros, manejo sustentável, educação ambiental e recursos naturais.

Crishiane Amâncio e Robson Amâncio/Embrapa
Crianças ribeirinhas brincam no rio: projeto melhora qualidade de vida

O projeto vai trabalhar a conservação dos recursos naturais, a valorização da figura do pescador profissional artesanal e a auto-estima das crianças e de suas famílias. Também terá ações voltadas a saúde, principalmente, das crianças e adolescentes.

“Estão previstas ainda atividades ligadas à orientação sexual e planejamento familiar, além de apoio pedagógico para as instituições de ensino que atuam nos locais”, afirmou a pesquisadora. Segundo ela, os parceiros vão sugerir metodologias que permitam trabalhar temas ambientais com bons resultados.

Cristhiane lembra que a profissão do pescador profissional artesanal precisa ser valorizada. “Hoje poucas crianças se interessam em aprender o ofício da pesca com os pais ou avós. Esse tipo de pesca é um artesanato. E se não houver esse vínculo desde a infância, essa profissão pode ser perder.”

De acordo com Cristhiane, se não valorizarmos essa profissão, deixaremos de valorizar o Pantanal, sua cultura e suas águas, porque são esses usuários que compreendem a dinâmica de cheia e vazante do rio há várias gerações. São eles que, de alguma forma, auxiliam as pesquisas cientificas voltadas para a conservação do Pantanal que a Embrapa, junto com a Ecoa e demais parceiros, trabalha somando esforços para a sustentabilidade local.

Um dos componentes do projeto será a comunicação, com apoio do programa Navega Pantanal, da Fundação Manoel de Barros. Crianças e jovens vão participar de um sistema de comunicação com rádio-escola, internet e blogs, que vai facilitar o intercâmbio de experiências e disseminação de informação para a formação cidadã.

No total, o projeto vai beneficiar diretamente 500 pessoas, incluindo as crianças, suas famílias, professores e as comunidades envolvidas. A pesquisadora, que atuará como voluntária, explica que o projeto se encaixa na política de responsabilidade social da Embrapa, além de compor dados de pesquisa na área de sociologia que já estão em andamento.

Os outros parceiros da Ecoa são: Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Prefeituras de Corumbá e Miranda, Seap (Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca), Instituto Chico Mendes, Parque Nacional do Pantanal, Rede Pantanal de ONGs e Movimentos Sociais, Casa (Centro de Apoio Sócio-Ambiental), PNP (Paz Natureza e Pantanal), Fundação Manoel de Barros, Associação dos Ribeirinhos da Serra do Amolar e Barra do São Lourenço, Associação de Moradores do Porto da Manga, Rede Aguapé e Ecomunicadores do Pantanal.

Crishiane Amâncio e Robson Amâncio/Embrapa
Crianças ribeirinhas brincam no rio: projeto melhora qualidade de vida

Ana Maio
Embrapa Pantanal
 
  Postado às 22h55
 
|
  01/03/2009
  Orangotango ameaçado de extinção nasce em cativeiro
 

O zoológico de Chester, em Cheshire, na Inglaterra, comemora o nascimento de um filhote de orangotango-de-sumatra. Ao lado da mãe Subi, e do irmão Budi, o bebê é segundo espécime a nascer em menos de um ano no zoo. A espécie está classificada como ameaçada de extinção.

Divulgação/Zoo Chester
 
  Postado às 22h49
 
|
  01/03/2009
  Chita africana é registrada no deserto do Saara
 

Um raro registro de uma chita feito por cientistas do Zoological Society of London, no deserto do Saara, na região da Argélia, pode ajudar na identificação de sua população.

Durante a pesquisa, os cientistas registraram quatro indivíduos que puderam ser identificados através de seu padrão de manchas, uma espécie de ‘impressão digital’ do animal.

Vivendo em todo o deserto do Saara e no norte e oeste da África, a chita está ameaçada de extinção. Segundo estimativas, cerca de 250 animais adultos vivem na região.

Divulgação/Zoological Society of London
 
  Postado às 22h38
 
|
  01/03/2009
  Contra o aquecimento global: banho de neve
 

Urso se refresca na neve no zoológico da cidade de Lausanne, na Suíça. A temperatura da região está em torno de zero grau Celsius.

Divulgação
 
  Postado às 22h32
 
|