São Paulo, SP – Brasil
 
  +Blog da Pick-upau
   
  23/05/2011
  Vietnã cria reserva para o raro 'unicórnio asiático'
 

O Vietnã anunciou a criação de uma reserva próxima à fronteira com o Laos para proteger uma espécie de bovino, o saola. Essa espécie que também é conhecida como unicórnio asiático, apesar de ter dois chifres, é uma das espécies mais raras de mamíferos e a criação dessa reserva traz uma nova esperança de sobrevivência para a espécie.

Divulgação

Saola capturado no ano passado, poucos dias antes de morrer.

Por conta da sua raridade, a descoberta da espécie em 1992, foi considerada uma das maiores descobertas da zoologia do século XX. Os pesquisadores descreveram o animal com base em caveiras achadas em residências de moradores locais.

Nenhum pesquisador ainda conseguiu ter contato com o animal vivo, o mais próximo que se chegou foi em 2010 quando aldeões no Laos capturaram um exemplar vivo, mas ele morreu antes da chegada do especialista. A carcaça do animal está sendo estudada.

Por se tratar de um animal que é raramente visto e viver escondido na floresta, eles ganharam o apelido de “unicórnios”. Estima-se que existam menos de mil exemplares na natureza, tornando-o o mamífero de grande porte mais raro e ameaçado do planeta. Não há saolas em nenhum zoológico do mundo e nunca conseguiu observá-lo livre em seu habitat.

Do Globo Natureza

 
  Postado às 17h58
 
|
  23/05/2011
  Museu anuncia nova espécie de borboleta com 'listras de zebra'
 

O Museu de História Natural da Inglaterra inaugurou a mostra “Borboletas Sensacionais” anunciando a descoberta de uma nova espécie de borboleta (Splendeuptychia mercedes) com listras de zebra.

Reprodução

 

O exemplar foi capturado na Amazônia peruana e estava guardado desde 1903 sem nem ter sido analisada. A responsável pela classificação foi a pesquisadora Blanca Huertas, que estava estudando-a desde 2005.

Do Globo Natureza

 
  Postado às 17h55
 
|
  23/05/2011
  Cabra-de-leque sofre tombo espetacular durante briga
 

Durante o período de acasalamento as cabras-de-leque costumam disputar território e uma dessas disputas foi flagrada pelo fotógrafo Jaco Becker em uma reserva na África do Sul. A briga terminou com um tombo fantástico do oponente mais novo, de acordo com o que foi divulgado no jornal inglês "Daily Telegraph".

Reprodução/Daily Telegraph
Cabra-de-leque sofreu tombo espetacular durante briga.

Do G1

 
  Postado às 17h51
 
|
  23/05/2011
  Franceses detectam destruição recorde de ozônio no pólo Norte
 

O Centro Nacional de Pesquisas Científicas Francês (CNRS) informou que a Camada de Ozônio na região do Pólo Norte sofreu um nível alto de destruição devido às condições meteorológicas.

Em comunicado, o CNRS afirmou que em março a redução da camada de ozônio foi de 40% e que foi registrada uma “zona extensa”, fenômeno nunca observado. Acredita-se que “um inverno estratosférico muito frio e persistente” gerou uma destruição “grande e prolongada” da camada até a chegada da primavera.

Gases emitidos por aerossóis presentes na atmosfera são os grandes destruidores da camada de ozônio. Esses gases são nocivos para o ozônio em baixas temperaturas, 80° abaixo de zero, fenômeno comum na Antártida onde no inverno as temperaturas são sempre muito baixas. Esse fato é menos comum no Pólo Norte, pois a temperatura é um pouco mais elevada e as condições meteorológicas variáveis.

O CNRS afirmou que "Nem sempre se reúnem as circunstâncias para que se produza uma grande diminuição do ozônio nessa região. E que as condições meteorológicas extremas são responsáveis pelo recorde alcançado neste ano”.

Os pesquisadores franceses agora querem saber qual será o impacto que esse fenômeno pode gerar quando as massas de ar começarem a se deslocar na primavera, quando as temperaturas se elevam.

Os cientistas franceses acreditam que poderão acontecer destruições similares a deste ano se invernos extremamente frios se repetirem, pois os produtos dos aerossóis (gases ricos em cloro e bromo) ficam impregnados na atmosfera durante anos.

De acordo com o último relatório emitido sobre a avaliação da camada de ozônio, mostra que este gás não recuperará seu nível de 1980 antes do período de 2045-2060 e no Pólo Sul uma ou duas décadas antes.

University of Bremen/Divulgação
Ilustração mostra medição de ozônio em março de 2011, comparada com 2010; cores vermelhas são níveis altos

Da EFE/Folha

 
  Postado às 17h48
 
|
  23/05/2011
  Camelôs vendem chaveiros com animais vivos na China
 

Em Pequim, na China, camelôs vendem animais como salamandras, tartarugas e peixes vivos como chaveiro. O animal vem em uma embalagem plástica com água colorida e cada chaveiro é vendido por cerca de 10 yan ( mais ou menos US$ 1,50). Os comerciantes alegam que a água colorida possui nutrientes e oxigênio, garantindo a sobrevivência dos animais.

Reprodução
Peixes, tartarugas e salamandras são colocados em embalagens plásticas com água colorida

Da Associated Press/Folha

 
  Postado às 17h45
 
|
  23/05/2011
  Justiça do Rio nega habeas corpus para chimpanzé Jimmy
 

Entidades ambientalistas entraram com pedido de habeas corpus para o chimpanzé Jimmy, de 28 anos, que vive há treze no Zoológico de Niterói (Zoonit), na região metropolitana do Rio de Janeiro. Porém, a 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio negou o pedido.

O pedido era para retirar o chimpanzé do zoológico e transferi-lo para o santuário ecológico situado em Sorocaba, interior de São Paulo.

O desembargador José Muiños Piñedo, relator do processo, afirmou que o habeas corpus não é o instrumento legal correto para Jimmy, já que ele é um chimpanzé e não um ser humano.

Uma das entidades que solicitou a liberação do animal foi uma ONG paulistana, afirmando em entrevista à Folha no ano passado, que o chimpanzé estava sozinho e a jaula seria muito pequena para ele.

Giselda Candiotto, diretora do Zoonit, disse que as acomodações do animal estavam de acordo com as normas do IBAMA e que estava sozinho porque é um animal de convivência difícil.

Divulgação
Chimpanzé Jimmy está há 13 anos no Zoonit faz aulas de pintura e é mimado, segundo direção do zoológico

Da Folha

 
  Postado às 17h42
 
|
  23/05/2011
  Enchentes no Paquistão provocam espetáculo de teias em árvores
 

Devido às enchentes que atingiram algumas áreas do Paquistão e a consequente alta das águas, milhões de aranhas procuraram locais altos, como o topo de árvores, gerando um espetáculo de teias.

Como o nível das águas demorou muitos meses para baixar, as árvores ficaram completamente envoltas pelas teias.

O fato aconteceu na província de Sindh, e a população nunca tinha visto nada parecido, de acordo com relatos ao Departamento para o Desenvolvimento Internacional do governo britânico.

Um fato positivo que aconteceu com isso foi a diminuição dos mosquitos, como afirmaram os moradores. Acredita-se que os insetos tenham ficado presos nas teias e dessa forma diminuiu o risco de epidemia de doenças causadas por mosquitos, como é o caso da malária.

Russell Watkins/UK Department for International Development
Por causa da alta das águas, milhões de aranhas procuraram locais mais altos como abrigo.

Da BBC Brasil/Folha

 
  Postado às 17h40
 
|
  23/05/2011
  Gorila é flagrado fazendo carinho em patinho perdido
 

Um gorila foi flagrado fazendo carinho em um patinho que havia se perdido em uma lagoa, no zoológico de Bristol, Reino Unido. De acordo com o jornal inglês “Daily Telegraph” o patinho foi devolvido com segurança à sua casa.

Reprodução/Daily Telegraph
Gorila faz carinhos em patinho perdido.

Do G1

 
  Postado às 17h37
 
|
  23/05/2011
  Pesquisadores criam desequilíbrio ecológico em lago para monitorá-lo
 

Um artigo publicado na revista ‘Science’, descreveu um estudo onde os pesquisadores criaram de propósito um desequilíbrio ecológico num lago em Winconsin, Estados Unidos.

O objetivo da pesquisa era analisar os sintomas da cadeia alimentar no local em que ela estava alterada, para isso, Mike Pace, cientista do Instituto Cary, soltou um peixe predador no lago e observou como ele interferia no novo ambiente.

O exemplar introduzido foi de achigã, subespécie de black bass, predador de espécies menores, já que no lago predominavam peixes pequenos que se alimentam de pequenos invertebrados.

O que aconteceu no lago foi uma migração dos peixes naturais do lago para as margens, deixando que os pequenos invertebrados crescessem livremente, afetando também o fitoplâncton que alimentavam esses invertebrados.

O ecossistema se transformou completamente em três anos, influenciado pelos peixes predadores introduzidos. Porém, o que realmente chamou a atenção foi que um ano antes já era possível detectar as mudanças que poderiam ocorrer, por meio da variação de clorofila na água.

Os pesquisadores concluíram que fazendo alguns tipos de medições nos ecossistemas é possível antecipar as mudanças que poderão ocorrer e que muitas vezes são irreversíveis. Devido à utilização de sensores eletrônicos remotos, atualmente não é tão difícil da análise ser colocada em prática.

Divulgação
Estudo da composição da água do lago revelou sinais da mudança antes que ela se concretizasse.

Do Globo Natureza

 
  Postado às 17h35
 
|
  23/05/2011
  Tubarões, raias e peixes podem sumir em poucos anos, diz estudo
 

Um estudo aponta que devido à pesca irregular, poluição e perda de habitat, animais que vivem no Mediterrâneo, como tubarões, raias e 12 tipos de peixes ósseos como o atum-azul, o robalo, a pescada e a garoupa, podem desaparecer em alguns anos.

A organização suíça IUCN (International Union for Conservation of Nature), que reúne ambientalistas de mil grupos espalhados em 160 países, é responsável pela pesquisa. O coordenador, Kent Carpenter disse que "As populações do atum-azul no Mediterrâneo e no Atlântico Leste são uma preocupação em especial".

Devido a quatro décadas de pesca intensiva por barcos japoneses, a capacidade de reprodução do atum-azul diminuiu muito, de acordo com Carpenter. Além disso, o atum-azul é muito apreciado no preparo de sushi e comercializado com preços elevados, tornando o Japão responsável por 80% do consumo desse peixe. Um exemplar de 342 kg foi vendido por US$ 396 mil no maior leilão de peixes do país, em Tsukiji.

Divulgação
Japoneses respondem por 80% do consumo mundial do atum-azul pescado no Mediterrâneo e no Atlântico Leste

A regulamentação da pesca no Mediterrâneo é feita por tratados das Nações Unidas, União Européia e leis individuais de 21 países.

A Comissão Internacional da Conservação de Atum do Atlântico, em novembro de 2010, votou pela diminuição da pesca anual para 4%, que reduziria de 13.500 toneladas métricas para 12.900. Porém, ambientalistas querem a suspensão total da pesca, afirmando 4% de diminuição não é suficiente para conservação da espécie.

Da Associated Press

 
  Postado às 17h30
 
|
  23/05/2011
  Baleias também não resistem a melodia pegajosa, diz estudo
 

Um estudo australiano publicado nos Estados Unidos mostra que as baleias-jubarte produzem sucessos musicais, e as canções pegajosas são as preferidas da espécie.

De acordo com a pesquisa que foi publicada na revista "Current Biology", apenas os machos cantam e acredita-se que seja para conquistar uma fêmea. Segundo os pesquisadores é no litoral leste da Austrália que surge a melodia popular da temporada. O hit navega ao longo do Pacífico Sul, indo da Austrália à Polinésia Francesa, desenvolvendo-se entre os outros grupos de baleias que passam a cantar a mesma melodia na época da cria.

Divulgação
Melodias mais "populares da temporada" costumam surgir das baleias que vivem no litoral leste da Austrália

Ellen Garland, da Universidade de Quuesland, disse que da mesma forma que acontece com as músicas da moda, as melodias não são muito originais, mas parecem agradar facilmente.

A pesquisa que foi realizada ao longo de 11 anos, não conseguiu descobrir porque todas as baleias passam a cantar a mesma melodia, já que isto deveria ser um diferencial na hora da conquista da fêmea.

Da France Press

 
  Postado às 17h29
 
|