São Paulo, SP – Brasil
 
  +Blog da Pick-upau
   
  28/07/2011
  Cientistas descobrem seis novas espécies de mariposas
 

Seis novas espécies de mariposas do gênero Eucalantica foram descritas por pesquisadores da Universidade de Maryland, EUA, e da Universidade da Costa Rica. O estudo com a descoberta foi publicado no jornal científico “Zoo Keys”.

As espécies descritas foram E. costaricae, E. ehecatlella, E. Icarusella, E. powelli e E. pumila, encontrados na Costa Rica e a E. vaquero encontrada no sul dos EUA.

Kenji Nishida, um dos principais idealizadores da pesquisa, disse que a descoberta sugere que há uma alta densidade de mariposas na região da América Central.

Nishida afirmou que "O gênero Eucalantica é mais diversificado e bem distribuído do que se pensava anteriormente".

A pesquisa ainda mostra que menos de 20% dos exemplares dessa espécie foram descritos. Os pesquisadores alertam para o desaparecimento rápido de insetos que se quer foram descobertos.

Os cientistas cobram inventários mais abrangentes nessa área, além de medidas de conservação para a documentação mais completa da biodiversidade local.

Divulgação/Sohn e Nishida

Nova espécie de mariposa descoberta por pesquisadores dos Estados Unidos e da Costa Rica. Na foto, a espécie Eucalantica costaricae.

Do Globo Natureza

 
  Postado às 14h43
 
|
  28/07/2011
  Nova espécie de cogumelo da Malásia ganha nome de Bob Esponja
 

Foi descoberta na Ilha de Bornéu, na Malásia, uma nova espécie de cogumelo, que recebeu como nome popular o do personagem Bob esponja e Spongiforma squarepantsii como nome científico. Bob Esponja Calça Quadrada em inglês é Sponge Bob Square Pants.

Sua forma é semelhante às esponjas marinhas e possui uma forte cor alaranjada, igual ao personagem da TV.

Os cientistas ao analisarem usando um microscópio, puderam verificar que a área de produção dos esporos parece o fundo do mar cheio de esponjas. A descoberta foi feita por pesquisadores de três universidades americanas.

Os cogumelos nada têm a ver com a esponja que o Bob Esponja representa, apenas foi feita uma ‘homenagem’. Os cogumelos são fungos e as esponjas são poríferos, o parentesco é semelhante ao do homem com um pé de alface.

Divulgação

À esquerda, o personagem do desenho animado; à direita, o fungo que ganhou seu nome.

Do Globo Natureza

 
  Postado às 14h40
 
|
  28/07/2011
  Trepadeira artificial produz eletricidade a partir da luz solar
 

Uma empresa americana criou uma hera artificial capaz de produzir energia a partir da luz solar sem causar impactos visuais nos edifícios onde são instaladas, como causam as placas solares já utilizadas.

A “Socar Ivy” (hera em inglês) é feita de “folhas” fotovoltaicas aplicadas uma a uma sobre uma rede de cabos de aço. A quantidade de folhas é determinada dependendo da quantidade de energia que se deseja produzir e o resultado estético esperado.

Divulgação
Como é adaptável às construções, a hera fotovoltaica causa menor impacto visual.
 
No detalhe, as folhas presas a rede de cabos de aço.

Do Globo Natureza

 
  Postado às 14h37
 
|
  28/07/2011
  Com o pênis, pequeno animal aquático bate recorde de barulho
 

Um estudo publicado na revista “PloS One”, mostrou que um pequeno animal que usa seu pênis como instrumento musical, bateu o recorde de barulho debaixo da água. O Micronecta scholtzi é capaz de gerar tanto barulho quanto uma buzina de carro.

O efeito é impressionante, pois o animal tem apenas dois milímetros de comprimento, é o menor dos exemplares do animal conhecido como “barqueiro”.

Apenas os machos emitem sons, eles utilizam seus órgãos sexuais como violinos para atrair as fêmeas.

De acordo com a pesquisa, o som chega a 79 decibéis, é mais ou menos o toque de um celular e pode ser ouvido nas margens dos rios quando eles estão a poucos metros de profundidade. No pico, o som pode chegar a 105 decibéis, equiparando-se a uma buzina de trem ou metro.

Outros animais como as baleias, leões e golfinhos fazem mais barulho. Jérom Sueur, principal autor da pesquisa concluiu que este é o animal mais barulhento do reino animal, quando comparado o barulho com o tamanho do corpo.

Reprodução/PLoS One
O pequeno barqueiro foi estudado no Museu de História Natural de Paris.

Do G1

 
  Postado às 14h34
 
|
  28/07/2011
  Jararaca do Instituto Butantan terá o nome de Yubá
 

Um filhote de jararaca-ilhoa do Instituto Butantan, zona oeste de São Paulo, foi batizado como Yubá, “amarelo” em tupi-guarani, referencia a cor do animal.

Tal nome foi escolhido em votação pela internet e por uma urna colocada no prédio do Museu Biológico. Sessenta mil pessoas participaram da votação durante as duas semanas que durou o pleito.

Giuseppe Puorto, disse que “A ação é para desmitificar o ser vivo serpente, que é associado a uma coisa ruim", quando indagado sobre a primeira votação on-line do Instituto.

Aureo (por causa do dourado do réptil), Jack, Fiuk, Homer e Neymar eram os outros nomes que estavam concorrendo.

O nome foi oficialmente divulgado quando o filhote de jararaca-ilhoa, espécie em extinção, completava quatro meses de vida. Data que também marcou o início das atividades de férias de inverno do Butantã.

O animal é originário da Ilha da Queimada Grande, litoral Sul de São Paulo. Ele tem nove irmãozinhos.

Divulgação

Jararaca-ilhoa nascida no Instituto Butantan, em São Paulo, completa quatro meses e ganha o nome de Yubá

Da Folha de São Paulo

 
  Postado às 14h28
 
|
  28/07/2011
  Hibernação ajuda morcegos a viver mais após contrair raiva, diz estudo
 

Um estudo divulgado em uma publicação da Academia de Ciências norte-americana (PNAS, em inglês) mostrou que o ato de hibernar dos morcegos pode poupá-los de morrerem por causa de raiva (doença causada por vírus que acometem mamíferos como o cachorro) antes da reprodução.

O professor Dylan George, da Universidade Estadual do Colorado (EUA), foi quem coordenou a pesquisa. Os pesquisadores utilizaram dados coletados durante cinco anos sobre os grandes morcegos de cor marrom, originários da América do Norte.

Os cientistas conseguiram descrever como vírus infecta e persiste no organismo do animal a partir de modelos matemáticos. Os dados foram referentes à mortalidade e reprodução dos morcegos, e foi utilizado também o tempo de incubação do vírus.

De acordo com os autores da pesquisa, durante o tempo de hibernação o metabolismo do animal diminui e o período de incubação do vírus aumenta. Além disso, o clima mais frio contribui para retardar o desenvolvimento dos microorganismos.

Segundo os norte-americanos, se o período de hibernação é excluído, muitos morcegos morrem a ponto de ocorrer queda drástica na população.

Dylan George / divulgação

Morcegos conseguem viver mais se hibernar quando infectados com raiva.

Do G1

 
  Postado às 14h22
 
|
  28/07/2011
  Estudo aponta que um terço das arraias e tubarões está ameaçado
 

Estudos apontam que mais de um terço das espécies de tubarões e arraias existentes no Brasil estão ameaçados. Esse dado é o resultado de um levantamento feito Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), ligado ao Ministério do Meio Ambiente e com a colaboração de 50 especialistas. A pesquisa é considerada preliminar, outros pesquisadores precisam avaliá-la para que ela possa ser publicada em revista científica.

Foram analisadas 169 espécies e destas 2 foram consideradas extintas e 60 estão enquadradas em alguma categoria de ameaça de extinção segundo os critérios da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

Dentre as 60 listadas na IUCN, 29 estão “criticamente em perigo” (CR), 7 estão “em perigo” (EN) e 20 estão na categoria “vulnerável”(VU). Na categoria de “menor preocupação” (LC) entraram apenas 31 espécies e 16 espécies ficaram na categoria “quase ameaçada” (NT).

De acordo com ICMBio, 59 espécies estão na categoria “dados insuficientes”, índice bastante alto evidenciando a falta informações referentes a classificação e tamanho de algumas populações estudadas, como a dos elasmobrânquios (peixes cartilaginosos).

O instituto apontou que a pesca excessiva é o principal fator de ameaça dos elasmobrânquios, pois muitas de suas espécies têm vida longa e baixa taxa de fecundidade, dificultado a reposição natural da espécie.

Divulgação/Ibama
Tubarão pescado ilegalmente apreendido em abril no Pará.

Do Globo Natureza

 
  Postado às 14h18
 
|
  28/07/2011
  Fazendeiro usa cabeça de onça como troféu de caça no Pará
 

Fiscais do IBAMA de Jacareacanga, sudoeste do Pará, autuaram um fazendeiro que possuía uma cabeça de onça pendurada em sua propriedade. A multa foi no valor de R$ 5 mil.

Análises feitas na cabeça indicaram que o animal era uma onça-preta, variação genética que deixa o pelo da onça-pintada escuro.

A espécie é protegida pela Convenção do Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna em Perigo de Extinção (CITES), já que corre grande risco. O fazendeiro poderá ser condenado de seis meses a um ano de prisão, como informou o IBAMA.

Rogério Melo - Ibama/Divulgação

Do Globo Natureza

 
  Postado às 14h13
 
|
  28/07/2011
  Raro macaco-prego albino é entregue ao Ibama no Pará
 

Um macaco-prego albino foi entregue ao IBAMA por um morador da região de Breves, Pará. O morador afirmou que o macaco foi abandonado por alguém que o mantinha em cativeiro.

Conforme disse o órgão ambiental, o animal é raro, o fato interessou vários zoológicos que já se propuseram a acolher o animal, que possui sinais de maus tratos. Ele chegou ao IBAMA bem magro, por causa da má alimentação, com a cauda cortada e as presas serradas.

O albinismo é uma condição genética onde o indivíduo tem deficiência na fabricação de melanina e fica sem pigmentação na pele. Os animais que são albinos não costumam sobreviver na natureza, já que não tem proteção natural contra os raios solares e a cor chama a atenção tornando-o presa fácil.

Nelson Feitosa - Ibama/Divulgação
O animal apresenta sinais de maus tratos e está magro por causa de alimentação inadequada.

Do Globo Natureza

 
  Postado às 14h10
 
|