São Paulo, SP – Brasil
 
  +Blog da Pick-upau
   
  09/11/2013
  Cientistas identificam nova espécie de golfinho
 

Variedade do gênero 'Sousa' vive ao norte da Austrália.
Espécie nova ainda não tem nome definido.

Um grupo de pesquisadores de diversas instituições internacionais analisou características físicas e genéticas de dezenas de espécimes de golfinho e concluiu que uma variedade que vive no Oceano Pacífico, ao norte da Austrália é uma nova espécie.

O trabalho, publicado na revista “Molecular Ecology” explica que, com isso, o gênero Sousa fica com quatro espécies. Já eram conhecidas as espécies Sousa teuszii, que ocorre no Oceano Atlântico, a oeste da África; Sousa plumbea, que vive no Oceano Índico central e ocidental; e Sousa chinensis, que habita o Índico oriental e o Pacífico ocidental. E agora soma-se a elas a nova variedade identificada ao Norte da Austrália, que ainda não tem nome.

Para propor a existência da nova espécie, os cientistas analisaram 180 crânios e 235 amostras de tecidos de golfinhos.

Guido Parra/Divulgação

Imagens mostram animais da nova espécie de golfinho identificada.


Do G1, em São Paulo
Fotos: Reprodução
 
  Postado às 14h44
 
|
  09/11/2013
  Exposição de borboletas atrai crianças no Quirguistão
 

Uma exposição de borboletas atraiu a visita de crianças na cidade de Bishkek, capital do Quirguistão, país da Ásia Central.

AFP Photo/Vyacheslav Oseledko

Uma borboleta pousa sobre a testa de menina em exposição de borboletas no Quirguistão.
Garoto segura borboleta da espécie 'Morpho peleides' durante exposição na cidade de Bishkek.
Uma borboleta sai de sua crisálida em instalação de exposição de borboletas.

Borboleta fazia parte da exposição na cidade de Bishkek, no Quirguistão.


Da AFP/G1
Fotos: Reprodução
 
  Postado às 14h38
 
|
  09/11/2013
  Espécie de camarão europeu mata crustáceo exótico, sugere estudo
 

Espécie invasora não se prolifera em ambiente onde há camarões nativos.
'Resistência biótica' evita prejuízos na cultura do camarão.

Pesquisadores da Universidade Queen, em Belfast, descobriram uma “arma natural” para combater uma espécie invasora de camarão, proveniente dos Estados Unidos, que invadiu rios e lagos da Europa.

De acordo com um estudo divulgado nesta semana no periódico científico “NeoBiota”, os camarões nativos da Europa matam a espécie intrusa, considerada mais fraca, e evitam a proliferação dos animais exóticos.

Esse método foi denominado pelos cientistas como “resistência biótica”, ou seja, uma resposta da própria natureza para a entrada de espécies exóticas.

Eles obtiveram o resultado a partir de observações feitas no continente. Eles verificaram que o crustáceo Crangonyx pseudogracilis, o intruso, só conseguia se desenvolver em ambientes onde não havia presença de camarões nativos, como o Gammarus pulex e o Gammarus dueben.

Segundo a investigação científica, o combate natural ajuda a evitar novas invasões e danos às culturas do camarão na Europa, que poderiam causar perdas para a biodiversidade e prejuízos bilionários para a economia.

Os autores devem realizar outros trabalhos na Irlanda, Inglaterra, Canadá e África do Sul para entender como as espécies nativas e invasoras interagem e, com isso, obter um resultado para combater a proliferação de espécies não nativas.

Divulgação/Prof Jaimie Dick

Na imagem é possível uma disputa entre um camarão de origem europeia e um crustáceo de origem americana, considerado invasor.

Do G1, em São Paulo
Foto: Reprodução
 
  Postado às 14h29
 
|
  09/11/2013
  Borboleta mexicana que conviveu com dinossauros corre risco
 

Agricultura, desmatamento e poluição ameaçam espécie mais antiga.
Governo estuda criar área de reserva ecológica para proteger espécie.

Uma equipe de cientistas mexicanos e franceses alerta para o risco de extinção da borboleta Baronia brevicornis, uma espécie do centro do México que conviveu com os dinossauros há 70 milhões de anos e talvez seja a mais antiga do mundo.

A borboleta, uma 'Papilionidae' marrom com toques amarelos e alaranjados que pode ser encontrada apenas na Serra de Huautla, está sob ameaça de extinção por causa da agricultura, do desmatamento e da poluição, advertiram os especialistas neste fim de semana durante o fórum Green Solutions 2013.

Pesquisadores da Universidade Autônoma do Estado de Morelos (UAEM), com apoio da Universidade de Toulouse, na França, investigam há cerca de cinco anos esse pequeno inseto, 1.500 vezes mais antigo do que o ser humano. Segundo as conclusões do estudo, a 'Baronia' é 'um fóssil vivo que existe apenas no México e é a borboleta mais antiga já encontrada no mundo'.

O pesquisador francês Luc Legal garante que 'apenas em duas regiões do mundo as borboletas conseguiram se preservar frente à época glacial: em uma região da China e em Morelos'.

O governo de Morelos promove, junto com os estados de Guerrero e Puebla, a criação de uma área de reserva ecológica de 180 mil hectares que, além de proteger a 'Baronia', implicará a conservação de outras espécies de fauna e flora da reserva da Serra de Huautla.

AFP Photo

Foto mostra borboleta da espécie 'Baronia brevicornis', em risco de distinção.

Da AFP/G1
Foto: Reprodução
 
  Postado às 14h22
 
|
  09/11/2013
  Comissão Europeia quer reduzir pesca no Atlântico e Mar do Norte
 

Órgão pede redução de pesca de bacalhau, merluza, linguado, entre outros.
Estoques desses peixes estão em 'estado deplorável', diz autoridade.

A Comissão Europeia pediu nesta quarta-feira (30) a redução drástica das cotas de pesca de bacalhau, merluza e linguado no Atlântico e no Mar do Norte em 2014 e se prepara para enfrentar os Estados membros.

A proposta reduz em 33% as cotas de captura do bacalhau e em 75% as de hadoque nas grandes regiões pesqueiras do Atlântico Norte. A pesca de merluza e badejo cairia 20%. As cotas de captura de linguado diminuiriam de 37% a 45% no Mar da Irlanda.

"É necessário proceder à redução de alguns estoques", disse a comissária encarregada da Pesca, Maria Damanaki, em um comunicado. "Os estoques de bacalhau no mar da Irlanda e de Kattegat (entre a Dinamarca e a Suécia) continuam em um estado deplorável", afirmou.

A proposta será discutida pelos ministros da Pesca em dezembro para aplicação em 1º de janeiro de 2014, e as negociações se anunciam difíceis, previu um negociador.

"Será difícil para os Estados administrar esta redução tão grande desses estoques importantes", declarou à AFP.

Divulgação/Sukgeun Jung/Fishbase

Captura do bacalhau deve ser reduzida em 33%.

Da AFP/G1
Foto: Reprodução
 
  Postado às 14h15
 
|
  09/11/2013
  Tigre passa por cirurgia para retirada de pedra nos rins
 
Pedras estavam obstruindo o trato urinário do animal, de 15 anos.
Tigre vive no Zoológico de Sacramento, na Califórnia, desde 1999

Castro, um tigre-de-sumatra que vive no Zoológico de Sacramento, na Califórnia, teve que passar por uma cirurgia para retirada de pedras no rim.

O animal de 15 anos estava com seu trato urinário obstruído pelas pedras, por isso os veterinários tiveram que implantar tubos finos e flexíveis que permitirão que a urina seja drenada de seus rins para a bexiga. O felino vive no Zoológico de Sacramento desde 1999.

AP Photo/The Sacramento Bee, Renee C. Byer

Equipe do Zoológico de Sacramento faz cirurgia no tigre-de-sumatra Castro, que tem pedras nos rins.

AP Photo/The Sacramento Bee, Renee C. Byer

Cirurgia teve o objetivo de implantar pequeno tubo para drenar urina do rim à bexiga do tigre.

AP Photo/The Sacramento Bee, Renee C. Byer

Tigre Castro vive no Zoológico de Sacramento desde 1999.

AP Photo/The Sacramento Bee, Renee C. Byer

Tigre-de-sumatra Castro tem 15 anos e passou a sofrer de problemas por pedras nos rins.

Da AP/G1
Foto: Reprodução
 
  Postado às 14h06
 
|