São Paulo, SP – Brasil
 
  +Blog da Pick-upau
   
  11/01/2014
  Zoo no Canadá grava filhote de urso polar dando seus primeiros passos
 

Pequeno mamífero nasceu há dois meses e recebe tratamento especial.

O zoológico de Toronto, no Canadá, divulgou esta semana um vídeo que mostra um filhote de urso polar com dois meses de vida dando seus primeiros passos.
Na gravação, o pequeno mamífero, que ainda não tem nome, aparece bocejando, emite grunhidos e tenta ficar em pé apoiado em suas quatro patas.

De acordo com a instituição, o espécime macho nasceu em 9 de novembro e, desde então, recebe atenção dos tratadores da instituição. Ainda segundo um comunicado, o filhote pesa 4,4 kg, seus olhos se abriram aos 35 dias de vida e seus dentes já começaram a se desenvolver. Ele é tratado em uma incubadora com temperatura controlada.

De acordo com a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), os ursos polares (Ursus maritimus) são considerados vulneráveis na natureza e foram incluídos na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, organizada pela instituição, que é ligada às Nações Unidas.

Mas a crescente atividade econômica nesta região ambientalmente sensível e as emissões de gases de efeito estufa estão acelerando o degelo e ameaçando as espécies.

Os ursos polares dependem da cobertura de gelo para caçar focas, seu principal alimento. A mudança de habitat, com a perda de gelo e de permafrost (solo permanentemente congelado), também afeta a construção de tocas pelas fêmeas, onde no futuro as mamães ursas vão entrar para hibernar após terem se alimentado fartamente.

Divulgação/Zoológico de Toronto

Filhote de urso polar com dois meses de vida tenta dar seus primeiros passos no zoológico de Toronto, no Canadá.


Do G1, em São Paulo
 
  Postado às 16h40
 
|
  11/01/2014
  Fêmeas de tubarão-limão dão à luz no local onde nasceram, diz estudo
 

Cientistas do Field Museum, dos EUA, realizaram pesquisa por 18 anos.
Investigação reforça necessidade de preservar habitat de tubarões.

Estudo realizado pelo Field Museum, um museu de história natural de Chicago, nos Estados Unidos, descobriu que fêmeas de tubarões-limão (Negaprion brevirostris) retornam à sua "terra natal" para dar à luz, assim como fazem as fêmeas de salmão e das tartarugas-marinhas.
Os resultados foram divulgados na última semana pela instituição, após estudo científico que durou quase 20 anos.

A pesquisa começou em 1995 e envolveu a captura, marcação, liberação e acompanhamento de mais de 2 mil exemplares desta espécie. As análises foram feitas na região de Bimini, nas Bahamas.

Kevin Feldheim, do Field Museum, afirma que durante a pesquisa, foi constatado que tubarões nascidos ou capturados em meados dos anos 1990 deixam a segurança da ilha quando alcançam idade entre 5 e 8 anos.

Ele explica ainda que apesar de eles irem para outras ilhas em suas viagens, as fêmeas desses tubarões "lembram" onde nasceram e são capazes de encontrar a região novamente quando estão grávidas e prontas para conceber os filhotes.

A prova de que os tubarões utilizam as mesmas áreas onde nasceram reforça a necessidade de se preservar o habitat desses animais. O tubarão-limão pode ser encontrado principalmente em áreas mais quentes da América do Norte e América do Sul, no Oceano Atlântico.

Reprodução

 


Do G1, em São Paulo
 
  Postado às 16h33
 
|
  11/01/2014
  Onda de calor provoca morte de milhares de morcegos na Austrália
 

Temperaturas no país chegam a 50°C.
Segundo ONG, mais de 50 mil morcegos morreram nos últimos dias.

A onda de calor que atinge a Austrália provocou a morte de milhares de morcegos nos últimos dias. De acordo com a ONG Bat Conservation and Rescue (conservação e resgate de morcegos), mais de 50 mil animais caíram mortos de suas árvores após sucumbirem ao calor na região de Queensland, no nordeste australiano.

Os ativistas resgataram alguns filhotes que perderam suas mães para alimentá-los e ajudar no combate ao forte calor. Segundo reportagem da Associated Press, os morcegos chegam a urinar em si mesmos na tentativa de resfriar o corpo. Eles caem às centenas em volta das árvores e a decomposição dos animais provoca mau cheiro no local.
Queensland, Austrália

"É possível encontrar mais de 250 morcegos mortos ao redor das árvores", afirma Louise Saunders, presidente da ONG. Além dos morcegos, outros animais como papagaios, cangurus e emus (ave nativa, parecida com o avestruz) estão sofrendo com o forte calor na Austrália. Algumas regiões do país atingiram a temperatura de 50°C.

Trish Wimberley/Australian Bat Clinic/AP

Filhotes de morcegos são protegidos e amamentados em clínica de ONG em Queensland


Do G1, em São Paulo
 
  Postado às 16h27
 
|
  11/01/2014
  Zoo de Londres inicia a tradicional contagem anual de bichos; veja fotos
 

Instituição vai monitorar as 850 diferentes espécies que vivem no local.
Belas imagens mostram trabalho de tratadores.

O ano novo começou com muito trabalho para os tratadores do zoológico de Londres, na Inglaterra. Eles iniciaram nesta quinta-feira (2) a tradicional contagem de animais que vivem no local.

Não será uma tarefa fácil, já que mais de 850 diferentes espécies vivem no zoo. No entanto, a maioria das espécies tem microchips instalados em seus corpos, o que facilita a contagem.
Mas existem algumas complicações para saber qual o número exato da população de peixes e animais com propriedades de camuflagem, como insetos.

Já as formigas não são contabilizadas como indivíduos e sim como colônia. O censo animal deve demorar algumas semanas para ser finalizado.

Leon Neal/AFP

Funcionário do zoo de Londres observa animais aquário da instituição, durante tradicional censo anual.

x
Kirsty Wigglesworth/AP
Pinguim morde prancheta de tratador no zoológico de Londres durante tradicional censo animal.
x
Kirsty Wigglesworth/AP

Kumbuka, um exemplar macho de gorila, é visto próximo a placa que indica a confirmação de sua presença e de outros três primatas que vivem no zoológico de Londres

Kirsty Wigglesworth/AP
Exemplar de coruja é segurada por tratador durante tradicional censo animal do zoológico de Londres.
x

Do G1, em São Paulo
 
  Postado às 16h17
 
|
  11/01/2014
  Estudo mostra riqueza de cores e formas em abelhas
 

Mundo tem estimadas 20 mil espécies do inseto; laboratório americano monitora várias delas desde 2004.

O mundo abriga estimadas 20 mil espécies de abelhas, e parte delas está sendo estudada e monitorada pelo Serviço Geológico dos EUA.

O estudo identificou uma ampla variedade de espécies: algumas têm coloração azulada ou esverdeada, outras não têm as típicas listras; algumas são do tamanho de marimbondos, mas outras são tão pequenas quanto um grão de arroz.

Seres extremamente complexos e sofisticados, as abelhas desempenham importantes papéis no ecossistema, incluindo a polinização: calcula-se que 75% das colheitas globais sejam polinizadas pelo inseto. Veja a galeria completa.

U.S. Geological Survey’s Bee Inventory and Monitoring Program/Caters News Agency

Imagens do programa de monitoramento de abelhas do Serviço Geológico dos EUA mostram a variedade das abelhas.

 
Sam Droege, que chefia o laboratório, diz que cada foto macro é uma composição de 20 a 300 imagens individuais das abelhas, feitas de distâncias levemente distintas.
 
As abelhas não apenas têm um papel vital em nosso ecossistema, como também estão entre os seres mais complexos e sofisticados do planeta.

Da BBC/G1
 
  Postado às 16h09
 
|
  11/01/2014
  Descoberta nova espécie de besouro de gênero que vive com formigas
 

Espécie 'Guyanemorpha spectabilis' foi descoberta na Guiana Francesa.
Inseto pertence ao gênero Pseudomorpha; modo de vida é desconhecido.

Cientistas do Instituto Smithsonian descreveram uma nova espécie de besouro que vive nas florestas da Guiana Francesa e pertence ao gênero Pseudomorpha, conhecido por viver em meio a variados tipos de formigas.

De acordo com a publicação científica “Zootaxa”, o besouro Guyanemorpha spectabilis é um inseto considerado grande se comparado aos demais “parentes” desse gênero.

Os pesquisadores ainda desconhecem seu modo de vida, mas suspeitam que o besouro recém-descrito tenha o mesmo hábito de conviver, neste caso, com formigas arbóreas da América do Sul.

Karolyn Darrow, Smithsonian Illustrator and Graphics Specialist

Inseto recém-descoberto vive na Guiana Francesa


Do G1, em São Paulo
 
  Postado às 16h03
 
|
  11/01/2014
  Imagem mostra macaco pensativo após 'roubar' câmera na Tailândia
 

Registro foi feito por fotógrafo canadense durante sessão em praia asiática.
Equipamento permaneceu ligado e gravou imagens do pequeno primata.

Um pequeno macaco fez a festa com uma câmera GoPro deixada por um fotógrafo em uma praia de Ao Nang, na Tailândia.

O primata “roubou” o equipamento, que estava ligado, e saltou para uma árvore, onde passou a analisar a câmera portátil.

Em uma das cenas registradas pelo canadense Frédéric Blais-Bélanger, 26 anos, dono da câmera, o animal está com a mão na cabeça, como se estivesse pensando em como operar aquela máquina diferente.

Durante todo o tempo do "furto", o equipamento permaneceu ligado e gravou imagens do pequeno primata.

Caters News/The Grosby Group

Imagem mostra macaquinho pensativo

x

Do G1, em São Paulo
 
  Postado às 15h40
 
|