Patrocínio      
     

 
Garça-branca-grande (Ardea alba)
 
 
Estudo estima que até 194 milhões de aves morrem na Europa
Aves são vitimas de atropelamento em rodovias europeias
 

09/07/2020 – A perdiz e o esquilo são apresentados como as espécies com maior potencial de mortalidade por causa do tráfego de veículos. Cerca de 194 milhões de aves e 29 milhões de mamíferos morrem anualmente atropelados em estradas europeias. Esses são dados de uma pesquisa realizada pelo Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (Cesam) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.


O estudo poderá ajudar no planejamento da construção de novas estradas e reduzir os impactos sobre a biodiversidade. A pesquisa sugere que as espécies mais atropeladas não são necessariamente as mais vulneráveis aos impactos das rodovias.

Reprodução/Pixabay

Entre os mais vulneráveis a pesquisa destaca a perdiz.



Em entrevista à Lusa, a pesquisadora Clara Grilo explica que o melro e o ouriço-cacheiro morrem em maior quantidade do que morcegos e águias, já que são espécies “mais comuns e abundantes” e que se aproximam mais das rodovias e estradas.

Entretanto, a pesquisa que foi publicada na revista científica Frontiers in Ecology and Environment, diz que morcegos e águias têm uma “taxa de atropelamento mais baixa”, mas possuem “menos capacidade para compensar a mortalidade adicional”, informa a cientista.

Segundo os pesquisadores, “as estradas e o tráfego podem dar o empurrão final para a extinção de espécies já ameaçadas por outros fatores”, e pode significar "o começo da trajetória para a extinção de espécies relativamente comuns”.

Reprodução/Wikipedia

Entre os mais vulneráveis a pesquisa destaca a perdiz.



Para verificar as taxas de mortalidade de aves e mamíferos nas estradas e rodovias, os pesquisadores calcularam o número de indivíduos mortos anualmente, por quilometro para cada espécie das categorias estudadas.

A pesquisa compilou dados de 90 estudos com registros de atropelamentos de animais em 24 países europeus. Desse levantamento foi calculada uma taxa de atropelamento de 240 espécies de aves e 75 espécies de mamíferos.

Com base nesses dados, os pesquisadores desenvolveram modelos matemáticos para estimar a quantidade de atropelamentos para espécies que não foram contempladas no estudo. Desta foram poder identificar quais são mais vulneráveis.

Reprodução/Wikipedia

Entre os mais vulneráveis a pesquisa destaca a perdiz.



Ao todo os cientistas fizeram projeções para 423 espécies de aves e 212 de mamíferos, levando em conta características como massa corporal, longevidade, dieta alimentar, densidade populacional, quantidade reprodutiva e classificação do habitat.

O estudo concluiu que das 126 espécies de aves e mamíferos mais vulneráveis, somente 20 estavam classificadas como “ameaçadas” ou “quase ameaçadas” na Lista Vermelha União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

Entre os mais vulneráveis a pesquisa destaca a perdiz e o esquilo como potenciais vítimas de atropelamentos em estradas e rodovias europeias, apesar de ambos estarem classificadas como espécies “pouco preocupantes”.

Segundo o estudo, a península Ibérica e Balcânica e a Europa Central concentram a maior quantidade de espécies de aves vulneráveis. Enquanto os mamíferos mais vulneráveis se encontram no norte da Espanha, Itália, Áustria e Península Balcânica. Os pesquisadores pretendem ampliar os estudos em escala mundial. Grilo lembra que há expectativa, até 2050, da construção de mais 25 milhões de quilômetros de estradas em todo o mundo.

Reprodução/Pixabay

Entre os mais vulneráveis a pesquisa destaca a perdiz.



Criado em 2015, dentro do setor de pesquisa da Agência Ambiental Pick-upau, a Plataforma Darwin, o Projeto Aves realiza atividades voltadas ao estudo e conservação desses animais. Pesquisas científicas como levantamentos quantitativos e qualitativos, pesquisas sobre frugivoria e dispersão de sementes, polinização de flores, são publicadas na Darwin Society Magazine; produção e plantio de espécies vegetais, além de atividades socioambientais com crianças, jovens e adultos, sobre a importância em atuar na conservação das aves. Parcerias estratégicas como patrocínios da Petrobras e da Mitsubishi Motors incentivam essa iniciativa.

Da Redação, com informações do Publico
Fotos: Reprodução/Wikipedia/Pixabay

 
 
 
Biguá (Nannopterum brasilianus)
 
 
 

   
 
_Acompanhe as ações e atividades do Projeto Aves
     

 

     
             
             
  Patrocínio          
   
             
             
     
 

Nas Redes

Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental  
 
Copyright 2015-2019. Projeto Aves. © Agência Ambiental Pick-upau. Todos os direitos reservados.