Patrocínio      
     
 
Saí-azul (Dacnis cayana)
 
 
Sons da Natureza
Tucano-de-bico-preto
No sudeste ocorre em áreas de Mata Atlântica e em restingas
 

TUCANO-DE-BICO-PRETO
Ramphastos vitellinus (Lichtenstein, 1823)
Família: Ramphastidae

15/01/2018 – O CBRO (Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos) reconhece três subespécies. Ramphastos vitellinus vitellinus, Ramphastos vitellinus culminatus e Ramphastos vitellinus ariel.

Ramphastos v. vitellinus ocorre em Trinidad, leste da Venezuela, Guianas e norte do Brasil ao norte do Rio Amazonas. No Brasil ocorre em Roraima, Pará e Amapá. Tem contato com Ramphastos v. culminatus, no noroeste e centro-norte do Brasil, no lado norte do Rio Amazonas. Foram encontrados híbridos na faixa de contato.

Tem entre 46 e 56 centímetros. Seu bico é preto com faixa basal azul; pele nua em volta dos olhos azul; íris marrom; lado dorsal, barriga e cauda pretas; peito branco com grande mancha central laranja-avermelhada; supra e infracaudais vermelhas.

Ramphastos v. culminatus ocorre na Colômbia, Bolívia, sul da Venezuela, Peru, Equador e oeste e norte do Brasil, nos seguintes estados brasileiros: Amazonas, Roraima, Pará, Mato grosso e Acre. Tem contato com Ramphastos v. ariel no centro e nordeste da região amazônica no lado sul do Rio Amazonas. Ocorrem híbridos nas faixas de contato.

 

Sons da Natureza: Conheça a vocalização do tucano-de-bico-preto (Ramphastos vitellinus).


Tem 47 centímetros. Bico com cúlmen, base da mandíbula e as supracaudais amarelas; faixa basal do bico superior amarela e do bico inferior azul; peito branco até amarelo pálido; pele nua da cabeça azul; olhos marrons.

Ramphastos v. ariel é distribuído em duas áreas separadas; na região amazônica no lado sul do norte do Brasil e na Mata Atlântica litorânea do nordeste até sudeste do Brasil. Ocorre nos seguintes estados brasileiros: Pará, Maranhão, Amazonas, Alagoas, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

Tem entre 45 e 61 centímetros. Bico preto com faixa basal amarela; pela nua da cabeça vermelha; peito laranja-avermelhado; supracaudais vermelhas; olhos azuis. Os exemplares que ocorrem na região amazônica são bem menores e possuem olhos verdes. No Maranhão ocorrem híbridos.

Na Amazônia ocorre em matas de terra firme e de várzea. Também ocorre em pantanais, matas de galeria, cerrados e plantações. No sudeste ocorre em áreas de Mata Atlântica e em restingas.

Vive em casal ou em pequenos grupos em todos os estratos da mata, mas principalmente o estrato alto. Segue bandos mistos pelas copas e pelo estrato médio. Desce ao solo para acompanhar formigas de correição.

Enquanto se alimenta, salta de galho em galho com muita agilidade e utiliza o bico longo para alcançar os frutos.

Na Amazônia segue bandos barulhentos de cancões (Ibycter americanus) e no sudeste associa-se a bandos de gralhas-azuis (Cyanocorax caeruleus), provavelmente como estratégia antipredatória.

Pick-upau/Reprodução

Tucano-de-bico-preto (Ramphastos vitellinus).


Durante o voo, intercalam batidas de asas com longo planeio, às vezes a grande altura. Nidifica em cavidades nas árvores e deposita de 2 a 4 ovos.

Sua vocalização é um pouco mais aguda e menos anasalada que a do tucano-de-bico-verde (Ramphastos dicolorus). Em geral movimenta a cabeça para cima em cada nota.

Está ameaçado de extinção, considerado vulnerável pela IUCN (2016), devido aos intensos desmatamentos ocorridos na Bacia Amazônica para pecuária e produção de soja, facilitada pela expansão da rede de estradas. Outra ameaça é a caça. Suspeita-se de que suas populações tenham diminuído em 32,1% ao longo de três gerações a partir de 2002.

O Projeto Aves realiza diversas atividades voltadas ao estudo e conservação desses animais. Pesquisas científicas como levantamentos quantitativos e qualitativos, pesquisas sobre frugivoria e dispersão de sementes, polinização de flores, são publicadas na Darwin Society Magazine; produção e plantio de espécies vegetais, além de atividades socioambientais com crianças, jovens e adultos, sobre a importância da conservação das comunidades de avifauna.
O Projeto Aves é patrocinado pela Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental, desde 2015.

Da Redação (Viviane Rodrigues Reis)
Fotos: Reprodução/Pick-upau

Vocalização
Tipo: Chamado
Nome Científico: Ramphastos vitellinus
Nome Comum: Tucano-de-bico-preto
Nome em Inglês: Channel-billed Toucan
Localidade: Ubatuba, SP, Brasil.
Observação: Gravado em Camburi
Gravação: Viviane Rodrigues Reis (Rodrigues, R. V.)
Imagens: Julio Andrade (Andrade, J.)
Edição e Montagem: Andrea Nascimento e Wilson Najar Mahana
Produção: Projeto Aves
Realização: Agência Ambiental Pick-upau
Patrocínio: Petrobras (Programa Petrobras Socioambiental)
www.pick-upau.org.br
www.projetoaves.org.br

 
 
 
Príncipe (Pyrocephalus rubinus)
 
 
 

 

     
       
       
Patrocínio      
 
       
       
   
 
_Acompanhe as ações e atividades do Projeto Aves
     
 

Nas Redes

Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental  
 
Copyright 2015-2019. Projeto Aves. © Agência Ambiental Pick-upau. Todos os direitos reservados.