Patrocínio      
     
 
Talha-mar (Rynchops niger)
 
 
Beija-flores veem cores diversas, que humanos só imaginam
Pesquisa estuda como beija-flores fazem combinações de cores UV
 

20/06/2020 – Para buscar e encontrar alimentos, cortejar parceiros, fugir de predadores e explorar novas áreas as aves possuem uma excelente visão de cores. "Os seres humanos são daltônicos em comparação com aves e muitos outros animais", disse Mary Caswell Stoddard, professora assistente do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade de Princeton.

Segundo a pesquisadora, os seres humanos possuem três tipos de cones sensíveis à cor em seus olhos, centrados na luz vermelha, azul e verde, mas as aves mantém um quarto tipo, sensível à luz ultravioleta. "Não apenas ter um quarto tipo de cone de cor estende a gama de cores visíveis para os pássaros até os UV, como também potencialmente permite que os pássaros percebam cores combinadas como ultravioleta + verde e ultravioleta + vermelho - mas isso tem sido difícil de testar", disse Stoddard.

Para investigar como as aves conseguem ver um mundo colorido, os pesquisadores criaram um sistema de campo para averiguar a visão das cores das aves em ambiente natural. O estudo realizado no Laboratório Biológico das Montanhas Rochosas (RMBL), em Gothic, Colorado, nos Estados Unidos, treinou beija-flores de cauda larga (Selasphorus platycercus) para realizar o experimento.

Reprodução/Wikipedia

 



"Os experimentos perceptivos mais detalhados sobre aves são realizados no laboratório, mas corremos o risco de perder a imagem maior de como as aves realmente usam a visão de cores em suas vidas diárias", disse Stoddard ao Science Daily. "Os beija-flores são perfeitos para estudar a visão de cores em estado selvagem. Esses viciados em açúcar evoluíram para responder às cores das flores que anunciam uma recompensa de néctar, para que possam aprender associações de cores rapidamente e com pouco treinamento".

A equipe de pesquisadores estava interessada em combinações de cores não específicas, que apresentam tons de partes separadas do espectro de cores básicas, em contraposição a mistura de cores similares ou vizinhas, como azul-petróleo (verde-azul) ou amarelo (verde-vermelho). Para os seres humanos, a cor roxa é um bom exemplo de cor não espectral. Tecnicamente, o roxo não está no arco-íris, ele aparece quando nossos cones azuis (ondas curtas) e vermelhos (ondas longas) são estimulados, mas não cones verdes (ondas médias) explicam os cientistas.

Enquanto os humanos têm apenas uma cor não espectral (roxo), as aves podem, teoricamente, ver até cinco cores: roxo, ultravioleta + vermelho, ultravioleta + verde, ultravioleta + amarelo e ultravioleta + roxo, dizem os pesquisadores. Stoddard e seus colegas projetaram uma série de experimentos para pesquisar se os beija-flores podem ver essas cores não espectrais. O resultado do experimento foi publicado nos Anais da Academia Nacional de Ciências.

Reprodução/Wikipedia

 



A equipe de pesquisa contou com cientistas da Universidade de Columbia Britânica (UBC), Universidade de Harvard, Universidade de Maryland, além de Princeton. Os experimentos foram realizados ao ar livre por três verões. Construíram um par de tubos de LED para “visão das aves” programados para exibir uma ampla gama de cores, incluindo aquelas não espectrais. Depois, realizaram os experimentos em um prado alpino, frequentemente visitado por beija-flores-de-cauda-larga, que se reproduzem na região.

Todos os dias, no período da manhã, os pesquisadores criavam dois alimentadores, um com água e açúcar e outro com água pura. Ao lado de cada nectário, colocaram um tubo de LED. O tubo ao lado da água açucarada emitia uma cor, enquanto o outro tubo próximo ao nectário com água pura emitia uma cor distinta. Durante o experimento, os pesquisadores trocavam periodicamente os tubos, com objetivo que as aves não pudessem usar o local para identificar o nectário doce. Também fizeram um teste controle para garantir que os beija-flores não usassem outro sentido para encontrar a recompensa. Ao longo do experimento, as aves aprenderam a visitar a cor relacionada com a água açucarada. Com esse método, os pesquisadores registraram mais de 6.000 visitas aos nectários, em uma série de 19 experimentos.

Os testes revelaram que os beija-flores conseguem identificar uma variedade de cores não espectrais (amplitudes e intensidades de cores), incluindo roxo, ultravioleta + verde, ultravioleta + vermelho e ultravioleta + amarelo. As aves conseguem, por exemplo, distinguir o ultravioleta + o verde do ultravioleta puro ou verde puro e discriminaram duas misturas distintas de ultravioleta + luz vermelha, uma mais vermelha e outra com menos intensidade.

"Foi incrível assistir", disse Harold Eyster, Ph.D. da UBC. aluno e co-autor do estudo, ao Science Daily. "A luz ultravioleta + verde e a luz verde pareciam idênticas a nós, mas os beija-flores continuavam escolhendo corretamente a luz ultravioleta + verde associada à água com açúcar. Nossas experiências nos permitiram dar uma espiada no que o mundo parece com um beija-flor", completa.

Reprodução/Wikipedia

 



Ainda que os beija-flores possam enxergar cores não espectrais, ainda é difícil avaliar como essas cores aparecem nas aves. "É impossível saber realmente como os pássaros percebem essas cores. O ultravioleta + o vermelho são uma mistura dessas cores ou uma cor totalmente nova? Só podemos especular", disse Ben Hogan, pesquisador de pós-doutorado em Princeton e co-pesquisador, autor do estudo. "Imaginar uma dimensão extra da visão de cores - essa é a emoção e o desafio de estudar como a percepção aviária funciona", disse Stoddard. "Felizmente, os beija-flores revelam que podem ver coisas que não podemos".

"As cores que vemos nos campos de flores silvestres em nosso local de estudo, a capital de flores silvestres do Colorado, são impressionantes para nós, mas imagine como essas flores se parecem com aves com essa dimensão sensorial extra", disse o co-autor David Inouye, que é afiliado à Universidade de Maryland e ao RMBL.

A equipe de pesquisadores analisou um conjunto de dados de 3.315 cores de penas e plantas. Descobriram que as aves provavelmente enxergam muitas dessas cores como não espectrais, enquanto os humanos não conseguem. Desta forma, os cientistas relatam que cores não espectrais, provavelmente não são particularmente especiais, em relação as outras cores. Portanto, a imensa variedade de cores não espectrais disponíveis para as aves é resultado de seu antigo sistema visual de quatro cores.

"A tetracromacia - com quatro tipos de cone colorido - evoluiu nos primeiros vertebrados", disse Stoddard. "Esse sistema de visão de cores é a norma para pássaros, muitos peixes e répteis, e quase certamente existia em dinossauros. Acreditamos que a capacidade de perceber muitas cores não espectrais não é apenas uma façanha de beija-flores, mas uma característica generalizada da visão de cores de animais", conclui.

Criado em 2015, dentro do setor de pesquisa da Agência Ambiental Pick-upau, a Plataforma Darwin, o Projeto Aves realiza atividades voltadas ao estudo e conservação desses animais. Pesquisas científicas como levantamentos quantitativos e qualitativos, pesquisas sobre frugivoria e dispersão de sementes, polinização de flores, são publicadas na Darwin Society Magazine; produção e plantio de espécies vegetais, além de atividades socioambientais com crianças, jovens e adultos, sobre a importância em atuar na conservação das aves. Parcerias estratégicas como patrocínios da Petrobras e da Mitsubishi Motors incentivam essa iniciativa.

Da Redação, com informações do Science Daily/Universidade de Princeton
Fotos: Reprodução/Wikipedia

Fonte: Materiais fornecidos pela Universidade de Princeton . Original escrito por Liz Fuller-Wright. Nota: O conteúdo pode ser editado por estilo e duração.
Referência da revista :
1. Mary Caswell Stoddard, Harold N. Eyster, Benedict G. Hogan, Dylan H. Morris, Edward R. Soucy e David W. Inouye. Beija-flores selvagens discriminam cores não espectrais . PNAS , 2020 DOI: 10.1073 / pnas.1919377117

 
 
 
Periquito-rico (Brotogeris tirica)
 
 
 

   
 
_Acompanhe as ações e atividades do Projeto Aves
     

 

     
             
             
  Patrocínio          
   
             
             
     
 

Nas Redes

Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental  
 
Copyright 2015-2020. Projeto Aves. © Agência Ambiental Pick-upau. Todos os direitos reservados.