Talha-mar (Rynchops niger)
 
 
Notícia
F1 anuncia Interlagos no calendário e Floresta do Camboatá ganha sobrevida
Governador de SP anuncia parceria com a F1 e alivia pressão sobre floresta no Rio de Janeiro.
No mês passado a Pick-upau havia questionado pilotos e escuderias da F1 sobre o assunto
 

13/11/2020 – Com certeza vivemos tempos estranhos. Quando poderíamos imaginar que seria necessário se mobilizar contra a construção de um autódromo, que destruiria uma floresta inteira, no Rio de Janeiro, para abrigar uma prova de Fórmula 1? Pois bem, foi exatamente isso que aconteceu. Juntando a voracidade da nova detentora da F1, nos Estados Unidos, com governos fluminenses, digamos no mínimo com problemas na Justiça; um presidente da República, que não tem muito apreço ao meio ambiente; e uma empresa carioca, sem grande experiência na área; adicione a tudo isso, uma montanha de dinheiro em jogo e a disputa da presidência, em 2022; por fim, inclua nessa conversa o governador de São Paulo, pronto. Temos mais uma ameaça ao meio ambiente.

A ideia estapafúrdia surgiu em 2019. Com a proximidade do fim do contrato de transmissão pela TV Globo, e consequentemente o fim do contrato com Interlagos, em São Paulo, surgiu a alternativa de levar o circo da F1 para a capital fluminense. Mas para isso seria necessário, segundo os envolvidos no projeto, devastar uma floresta inteira.

Viviane Rodrigues Reis/Pick-upau

Carcará (Caracara plancus).



A floresta do Camboatá é uma ilha verde em meio ao cinzento bairro de Deodoro, no subúrbio carioca. É considerada a única área verde em território plano no Rio de Janeiro, segundo ambientalistas. Há muito anos a região é preservada pelo Exército, que mantém várias instalações ao redor da mata. A floresta ocupa uma área com cerca de 194 hectares, quase 200 campos de futebol e localiza-se em uma área montanhosa, entre os maciços da Tijuca, da Pedra Branca e a Área de Proteção Ambiental de Gericinó-Mendanha.

A floresta também abriga uma grande variedade da fauna. "É um local de parada, que a fauna usa como ponto de pouso para transitar entre outros fragmentos de floresta. Com o avanço da cidade, florestas de terras baixas foram quase todas suprimidas. A floresta do Camboatá pelo menos continua fazendo esse papel de ponto de ligação", diz Haroldo C. Lima, pesquisador associado do Jardim Botânico do Rio e membro do Movimento SOS Floresta do Camboatá a BBC Brasil. "Ela tem uma espécie de lago que tem uma capacidade de armazenamento de água muito grande. É como uma esponja. Quando chove, a água do entorno flui para lá e impede que aquela região, que é toda coberta de cimento, fique inundada. Já inunda e ficará pior", continua Lima. "Outro serviço importante é amenizar o clima da região. É só você sair do entorno da floresta e ir para bairros vizinhos como Bangu que sentirá a diferença de temperatura. Então tem um papel de qualidade de vida das pessoas que moram no entorno", conclui o pesquisador, em entrevista a BBC Brasil.

Viviane Rodrigues Reis/Pick-upau

Sanhaço-cinzento (Tangara sayaca).



"Algumas espécies podem transitar direto entre uma floresta e outra, mas outras precisam desses pontos de parada", diz ele. "No caso da saíra-sapucaia, o desmatamento da floresta pode representar ameaça para a espécie. Ela faz esse movimento migratório todo ano em busca de recursos alimentares", complementa o ornitólogo Guilherme Serpa a BBC Brasil.

Entre as aves encontradas na Floresta do Camboatá estão Curica (Amazona amazonica), Pica-pau-de-cabeça-amarela (Celeus flavescens), Periquitão maracanã (Psittacara leucophthalmus), Periquito-rei (Eupsittula aurea), Papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva), Saíra-sapucaia (Tangara peruviana), Sanhaço-cinzento (Tangara sayaca), Tiê-sangue (Ramphocelus bresilius), Beija-flor-tesoura (Eupetomena macroura), Saí-de-pernas-pretas (Dacnis nigripes), Carcará (Caracara plancus), e Canário-da-terra (Sicalis flaveola). Destaque ainda para capivara (Hydrochoerus hydrochaeris), Gambá-de-orelha-preta (Didelphis aurita) e Jacaré-do-papo-amarelo (Caiman latirostris).

O grupo de empresas que havia vencido a licitação seria responsável pela construção do autódromo na área da floresta, a um custo de R$ 697 milhões e poderia explorar o local por 35 anos. Mas um movimento de defesa da Floresta do Camboatá e o Ministério Público do Rio de Janeiro conseguiram junto ao Poder Judiciário frear as tratativas para realização da obra.

Viviane Rodrigues Reis/Pick-upau

Periquito-rei (Eupsittula aurea).



Em julho deste ano a BBC Brasil entrou em contato com a empresa vencedora da licitação, mas não foi encontrada para comentar os desdobramentos do projeto. Entretanto, a BBC Brasil reuniu notas divulgadas anteriormente para analisar esses posicionamentos. O gabinete do então governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, não respondeu a reportagem da BBC Brasil há época. A Prefeitura do Rio também não respondeu às perguntas enviadas, por email. Já o Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro – INEA, responsável pelo estudo de impacto ambiental, informou que só se manifestaria quando o parecer técnico fosse concluído. A BBC Brasil entrou em contato ainda com a Presidência da República, mas não houve resposta.

Segundo o Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente do MP, o desmatamento da área não é cabível que "o empreendedor não comprovou devidamente a inexistência de alternativa locacional para o projeto, na forma determinada pela Lei 11.428/2006 (Lei da Mata Atlântica) e pela Resolução Conama 01/86". Para o MP a construção do autódromo traria graves consequências ao meio ambiente "é empreendimento sensível e complexo, potencialmente gerador de significativo impacto ambiental, que acarreta supressão de floresta em estágio avançado/médio de regeneração do bioma da Mata Atlântica" e que "a complexidade de que se reveste o processo de licenciamento do empreendimento, com suas possíveis repercussões socioambientais irreversíveis, inclusive no incremento do processo de mudanças climáticas e de enchentes na área, desaconselha que seja atribuído andamento açodado ao trâmite, entre outros pontos", diz o MP em nota.

Viviane Rodrigues Reis/Pick-upau

Canário-da-terra (Sicalis flaveola).



O Ministério Público ainda argumenta sobre a audiência pública virtual "o uso de meios eletrônicos deve se dar de maneira complementar aos meios tradicionais, como forma de ampliar o acesso ao debate público, mas nunca de modo a restringi-lo (o que certamente ocorreria no caso em questão, e no período atual) e que "não é adequado que a audiência ocorra no momento de pandemia, não permitindo o mais amplo acesso à informação e debate popular acerca do empreendimento e de seus impactos, uma vez que a sociedade encontra-se com a sua capacidade de articulação e mobilização nitidamente prejudicada". O MP diz ainda que "suspende os prazos de cumprimento de obrigações administrativas ambientais, incluindo as previstas em Termos de Ajustamento de Conduta e outros ajustes celebrados no âmbito da Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (SEAS) e do INEA, em decorrência da situação de emergência atual".

Em meia a esse imbróglio milionário, com muitas idas e vindas, a Agência Ambiental Pick-upau tentou ouvir a opinião de que iria usar o autódromo, as escuderias e os pilotos da F1. A Organização questionou as10 equipes atuais e os 20 pilotos. Somente o hexacampeão Lewis Hamilton, se manifestou publicamente sobre o assunto.

No ultimo dia 08/10, Hamilton, já conhecido por suas manifestações sobre assuntos além das pistas, criticou a iniciativa de realizar um Grande Prêmio do Rio de janeiro nessas condições. “Eu esperava não ter que responder sobre isso porque, ultimamente, minha opinião pessoal é de que o mundo não precisa de um novo circuito. Eu acho que há muitos circuitos no mundo que são ótimos. Eu amo Interlagos e eu estive no Rio e é um lugar muito, muito bonito”, disse Hamilton antes do Grande Prêmio Eifel ,em Nuerburgring, a Reuters.

Hamilton disse não conhecer todos os detalhes do projeto, mas parece não apoiar a iniciativa. “A coisa mais sustentável que você pode fazer é não derrubar nenhuma árvore. Com o desmatamento e tudo, não acho que seja uma jogada inteligente, pessoalmente. Novamente, não tenho os detalhes do motivo, mas não é algo que eu pessoalmente apoio”, diz.

Viviane Rodrigues Reis/Pick-upau

Jacaré-do-papo-amarelo (Caiman latirostris).



Nas últimas semanas a notícia que a TV Globo estaria fora da transmissão do Brasil e que a TV Cultura estava em negociação com a empresa detentora dos direitos da F1 no Brasil, não agradou a controladora da categoria nos Estados Unidos. Na última quarta-feira, 11/11, o governador de São Paulo, João Dória anunciou o acordo com a F1 para realizar a corrida em Interlagos até 2025, o que teoricamente inviabilizaria a construção de outro autódromo no Rio de Janeiro.

O anúncio feito em entrevista coletiva, mas ainda precisará ser assinado pela Liberty Media, detentora dos direitos comerciais da categoria, e pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas. “Eu tenho o orgulho de revelar, com o Bruno Covas, que estará aqui conosco em alguns minutos, que a Fórmula 1 acaba de renovar o seu contrato para a realização do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 até 2025. O autódromo de Interlagos foi confirmado como sede do GP do Brasil nos próximos cinco anos. O contrato será assinado entre o prefeito e a Liberty, detentora dos direitos da categoria. É uma grande vitória para o estado de SP, para a cidade e para o Brasil”, disse o governador.

Para a Agência Ambiental Pick-upau que não opina sobre Fórmula 1, o grande prêmio dessa corrida é sem dúvida a conservação da Floresta do Camboatá. Mas devemos ficar atentos, porque como na F1, depois de uma corrida, sempre vem outra.

Criado em 2015, dentro do setor de pesquisa da Agência Ambiental Pick-upau, a Plataforma Darwin, o Projeto Aves realiza atividades voltadas ao estudo e conservação desses animais. Pesquisas científicas como levantamentos quantitativos e qualitativos, pesquisas sobre frugivoria e dispersão de sementes, polinização de flores, são publicadas na Darwin Society Magazine; produção e plantio de espécies vegetais, além de atividades socioambientais com crianças, jovens e adultos, sobre a importância em atuar na conservação das aves.

Da Redação, com informações da BBC Brasil, G1, O Globo,Reuters
Fotos: Viviane Rodrigues Reis/Pick-upau

Reprodução/Instagram

 

 
 
 
 
 
Algumas mensagens publicadas nas redes sociais dos pilotos de F1.


 
 
 
Periquito-rico (Brotogeris tirica)
 
 
 

   
 
_Acompanhe as ações e atividades do Projeto Aves
     

 

     
             
             
  Patrocínio          
   
             
             
     
 

Nas Redes

Quem Somos
  Pesquisa Científica
Reflorestamento e Produção Florestal
corporativo@pick-upau.org.br Mitigação de Mudanças Climáticas
55 11 3571-3480 CECFLORA - Centro de Estudos e Conservação da Flora
São Paulo - SP Negócios Sustentáveis
  Publicações
  Acervo Técnico
  Central de Educação e Jornalismo Ambiental  
 
Copyright 2015-2020. Projeto Aves. © Agência Ambiental Pick-upau. Todos os direitos reservados.