Quero-quero (Vanellus chilensis)
 
Sons da Natureza
Suiriri
Neinei João-de-barro
Tyrannus melancholicus Megarynchus pitangua Furnarius rufus
     
Consome insetos como abelhas nativas sem ferrão e marimbondos. Alimenta-se também de frutos. Possui um canto de madrugada, diferente do que emite de dia.

Sua vocalização mais frequente consiste em “nhé-nhé-nhé” anasalado e estridente. O casal canta em dueto pela manhã, empoleirados no topo de árvores ou arbustos.
Possui cerca de vinte centímetros. Não possui a sobrancelha branca como outras espécies do gênero. Ocorre em jardins, campos, áreas abertas, parques urbanos e cidades. Alimenta-se de artrópodes e outros pequenos animais.
             
  Leia mais   Leia mais   Leia mais  
 
 
 
 
Caneleiro-de-chapéu-preto
Gaturamo-verdadeiro Bem-te-vi
Pachyramphus validus Euphonia violacea Pitangus sulphuratus
     
Costuma acompanhar bandos mistos. Territorial, pode defender um local e residir nele por anos seguidos. Alimenta-se de insetos e frutos.
O ninho é construído pelo casal e tem formato esférico com entrada lateral. São instalados em palmeiras, entre epífitas ou em massa trançada de barba-de-velho (Tillandsia usneoides).
Ocorre em áreas abertas, jardins e bordas de matas. Vive solitário, em casal ou em pequenos grupos. Pousa em locais bem visíveis.
             
  Leia mais   Leia mais   Leia mais  
 
 
 
 
Corruíra
Tucano-de-bico-preto Pitiguari
Troglodytes musculus Ramphastos vitellinus Cyclarhis gujanensis
     
Ocorre em bordas de mata, cerrados, áreas abertas e em cidades. Vive solitária ou em casal, percorrendo folhagens, muros e telhados.
Tem entre 45 e 61 centímetros. Bico preto com faixa basal amarela; pela nua da cabeça vermelha; peito laranja-avermelhado; supracaudais vermelhas; olhos azuis
Alimenta-se de insetos e às vezes lagartixas e filhotes de outras aves. É mais ouvido do que visto e vocaliza durante o dia todo, até mesmo nas horas mais quentes.
             
  Leia mais   Leia mais   Leia mais  
 
 
 
 
 
Pintadinho Tucano-de-bico-verde Saracura-do-mato
Drymophila squamata Ramphastos dicolorus Aramides saracura
     
– É endêmico do Brasil. Há duas subespécies, ambas ocorrem no Brasil. Atinge 11 centímetros. O macho de Drymophila s. squamata possui o alto da cabeça e faixa pós-ocular pretos.
Atinge 50 centímetros. O lado dorsal, as asas, cauda e baixo abdômen possuem coloração preta com pouco brilho azul; bico verde-amarelado com faixa basal preta; o peito é amarelo com grande mancha central laranja.
A saracura-do-mato (Aramides saracura) pertence à família Rallidae da Ordem Gruiformes. É uma espécie monotípica, ou seja, não ocorrem subespécies e é endêmica da Mata Atlântica.
             
  Leia mais   Leia mais   Leia mais  
 
 
 
Jaçanã (Jacana jacana)
 
 
 

   
 
_Acompanhe as ações e atividades do Projeto Aves
     

 

     
             
             
  Patrocínio          
   
             
             
     
PROJETO AVES CONHEÇA + PROJETOS
SIGA-NOS
 

 

 
Quem Somos
Projeto Programa de Compliance
Notícias Negócios Sustentáveis
Espécies Plastic no Thanks
Ameaças Rede de Sementes e Mudas
Migração Pesquisa Científica
Nidificação e Reprodução Reflorestamento e Produção Florestal
Importância Mitigação de Mudanças Climáticas
Anatomia e Morfologia Publicações
You birds Acervo Técnico
Birds, Birds, Birds Central de Educação e Jornalismo Ambiental
Publicações Centro de Estudos e Conservação da Flora
Contato  
Doar    
 
Todos os direitos reservados. Projeto Aves 2015 - 2021. Agência Ambiental Pick-upau 1999 - 2021